Fate/Grand Order: Babylonia #16 – Impressões Semanais

Depois de uma pausa de uma semana, Fate/Grand Order voltou com um episódio bem movimentado e com algumas reviravoltas interessantes para quem ainda não sabia o que ia acontecer, ou pelo menos era o que deveria acontecer se a opening não tivesse dado spoiler¯\_(ツ)_/¯

Olha só quem voltou.

Dando continuidade ao plot twist que tinha rolado no último episódio – com o Kingu sendo atacado pelos seus “aliados” –, as coisas se focaram um pouco em mostrar o ponto de vista dele sobre a sua própria existência.

Isso é interessante porque, além de trabalhar um pouco do personagem, também prepara o terreno para algumas coisas que vão acontecer no futuro.

A luta contra a Tiamat ainda está apenas começando, então tem muita coisa para acontecer, inclusive sobre essa questão de quem é o Kingu, e o quanto do Enkidu original está nele.

A parte do seu salvamento eu não tenho nem muito o que falar porque, como comentei da última vez, a Siduri é uma personagem que você consegue se apegar no jogo, e fazer essa dramatização com ela se sacrificando e agradecendo o Kingu por ter salvo o Gilgamesh, se tornando amigo dele, é algo para se culpar os ninjas cortadores de cebola.

E essa ending personalizada só pior tudo T-T

Seguido disso, temos a luta contra a Tiamat, ou a tentativa de impedir isso. O santo graal estar com o Kingu é um leve plot twist também, mas não acho que seja algo tão interessante quanto a volta da Ushiwakamaru.

Uma pena terem colocado ela na opening, porque já deixava bem claro que ela voltaria de alguma forma. Esse retorno da personagem poderia ter sido muito melhor aproveitado por quem não acompanhou o jogo se tivesse ficado escondido até agora, mas, já foi feito, então é só lamentar.

Em relação a luta em si eu gostei de como ficou. Teve uma sequencia bem legal de golpes contra a Quetzalcoalt, e a batalha contra a Ushi ficou com um ar de dificuldade interessante, com ela ressuscitando toda hora.

Como é uma batalha intermediaria, gastar muito tempo aqui seria bobeira, então acho que durou tempo suficiente, mesmo que a segunda parte tenha sido resolvida de forma fácil (segunda leva de Ushis era para dar mais trabalho, mas foi “derrotada” em um golpe).

Só faltou ficar spamando o Noble Phantasma.

Fora isso, o resto do episódio é dedicado em preparar a batalha contra a Tiamat. O Lahmu conseguiu entregar o graal para ela, então as coisas chegaram ao ápice do problema, e o protagonista precisa se virar para resolver isso de alguma forma e derrotá-la.

Essa luta tem algumas coisas interessantes no meio, e também me deixa curioso para saber como vão, ou se vão, adaptar as mecânicas do jogo, então agora é esperar para ver como vai ficar tudo isso.

Ainda tem oito episódios pela frente, o que dá um tempo satisfatório para trabalhar os principais pontos da história sem precisar correr com muita coisa.

Extra

Menino Shirou aproveitava melhor as transferências de mana ( ͡° ͜ʖ ͡°)

Bora chorar juntos .

Mash também manja dos paranauê.

Nem doeu.

Marcelo Almeida

Fascinado nessa coisa peculiar conhecida como cultura japonesa, o que por consequência acabou me fazendo criar um vicio em escrever. Adoro anime, mangás e ler/jogar quase tudo.