Carole & Tuesday #08 – Impressões Semanais|The Voice Marte

A descentralização do foco nas meninas no mais recente episódio de Carole & Tuesday foi um ponto muito positivo; novos personagens, novas interações, uma competição cheia de excentricidade, e um conflito de personas totalmente divergentes.

Coloca aí uma OP de Naruto, porque essa “Prova Chunnin” vai ser boa!

O primeiro ponto marcante foi o esperado encontro entre a dupla de protagonistas e a Angie, dois mundos completamente diferentes, enquanto a dupla esbanja amor e bom humor, a modelo deixa sobrar arrogância. Por mais que esse lado egocêntrico da Angela incomode um pouco, não chega a ser algo que destrói a personagem, uma vez que, personas com essas características costumam ser impactadas mais à frente na história, sofrendo uma drástica mudança.

E não duvido nada que Carole e Tuesday, com sua música, seja o principal vetor para que a Angela deixe de ser “cabeça quente”. E a música das protagonistas continua sendo algo simples, mas tocante, e o que eu achei mais interessante foi o comentário de uma das juradas: “vocês são as mais normais aqui, e isso não é ruim”. Não foi exatamente com essas palavras, mas a essência da mensagem foi essa, afinal, a dupla estava em uma competição cheia de figuronas com apresentações chamativas, que, desbancaria qualquer competidor mais simples.

Entretanto, Carol e Tues não são apenas competidoras simplórias, os três jurados, inclusive, apontaram muito bem sobre o “poder” da música delas de tocar a alma, e o que deixou todos boquiabertos foi o fato delas escreverem as mesmas sem o auxílio de uma IA, o que nesse mundo futurístico é um absurdo. De certa forma, eu acredito na força da dupla, e em uma possível final que elas encarem a Angela (aquela declaração de rivalidade da Angie no final aponta muito para isso), e aí que vem a questão, seria esse o “milagre dos sete minutos” tão citado nas introduções?

Saindo do âmbito da tríade protagonista, nós tivemos uma apresentação bem interessante do digital influencer Pyotr, olha, a dança e a música dele foram ótimas, mas o ponto que me incomodou foi o mesmo em relação ao Skip: divergência do seiyuu japonês com o interprete em inglês da música, não é algo que comprometa a experiência, mas é no mínimo estranho ver a voz dele tão aguda sair para tons graves de uma hora para outra (????).

Mandou muito bem, Pyotr, hehehehe!

Tivemos muito character acting na coreografia do Pyotr, e uma cena tão complexa assim não poderia ser animada sem o auxílio da rotoscopia, e do excelente utilizador desse recurso que é o Takashi Mitani, “figurinha carimbada” dessa staff do anime.

Também conhecemos a Cybelle, outra personagem que está na disputa, e que é uma fã incondicional da Tuesday (me representaram no anime, vê se pode). Eu gostei demais do character design dela, a primeira instância, parecia o Sai de Naruto (haha), mas depois reparei mais semelhanças com a Alice Nakiri de Shokugeki no Souma, até mesmo na forma de agir, em outras palavras, eu amo personagens eloquentes.

Cybelle me representa encontrando a Tues!!

Quanto a outros personagens, não podemos deixar de falar sobre o quão bizarro foi a apresentação do OG Bulldog, o adversário das protagonistas, tipo, não foi uma coisa ruim, foi surpreendente, isso sim. Se observamos, dava a entender que o cara apresentaria um rap agressivo, mas aí vem uma espécie de soprano com uma letra em latim (????). Se o assunto é bizarrice, os Fire Brothers, com seus incríveis 99 anos de idade, ocupam bem esse posto junto do Bulldog. Também tivemos a apresentação da Katy Kimura, a nova manager da Angela, que precisará de muita paciência, é verdade.

Daí você quer pagar de Rapper das trevas e tem uma avó X9 hahaha.

Em linhas gerais, comparado aos últimos, esse episódio foi muito superior, eu não esperava menos, já que o Motonobu Hori, diretor do anime (ao lado do Watanabe), colocou a mão para dirigir este, lembrando que o último que ele tinha feito foi o elogiado episódio 1. O enredo melhorou, gostei da dinâmica dos novos personagens, e espero uma boa competição daqui para frente.

Nota do Redator para o episódio: 4.5/5

Breno Santos

Estudante de inglês e japonês, 20 anos, amante de café e da cultura otaku no geral. Além disso, é fascinado por cinema e pelo trabalho executado por uma staff de animação.