Darling in the Franxx #17 – Impressões Semanais (atualizado)

 

Se na semana passada eu senti falta de algo que prendesse minha atenção, o episódio dessa semana vem para compensar isso completamente, entregando várias questões, e desenvolvendo parte dos problemas de forma rápida e direta, sem deixar de lado algumas trivialidades importantes para o que ele promete entregar.

Eu espero que sim.

Um dos principais motivos desse episódio ter me agradado foi a participação mais ativa dos Nines, em especial do Nine Alpha. Ele é o típico personagem irônico que parece saber de tudo, o que normalmente me deixa bem indiferente, mas, ao menos nesse episódio, conseguiu funcionar bem como um mecanismo do roteiro.

Eu gosto quando um personagem pega a função de chamar o enredo para si, e construir/desenvolver a história a partir daí, como foi o caso dele nesse episódio.

Seja pela forma como provoca os membros do esquadrão, ou pela maneira que demonstra as suas visões, você consegue sentir que a presença dele ali vai forçar uma movimentação na história, e o melhor disso, é que não fica carregado de uma exposição “didática”.

A cena em que ele cutuca a Nana, fazendo ela ter uma recaída, assim perdendo a funcionalidade para as experiências, fecha todo o raciocínio levantado com o seu diálogo sobre gêneros e a necessidade de emoções, além de levar ao entendimento de todo o sistema de controle de massas que os líderes criaram para o resto da população, sem precisar cair em uma longa explicação sobre esse tema, assim como a forma como ele interage com o esquadrão acaba encaixando bem para ajudar a levantar certos pontos do futuro do anime.

Se for para quebrar algo, é importante construir bem esse algo para que a queda realmente seja sentida e faça diferença, o que nem sempre acontece em drama que envolvem romances por conta de uma certa passividade entre os dois lados. Não que o drama só funcione caso os protagonistas fiquem junto e tudo mais.

A questão é que para mim, a perda de um sonho acaba pesando bem mais do que a não realização do mesmo, o que no caso de Darling, ao menos por enquanto, tem conseguido fazer isso de forma satisfatória para mim, usando o tempo da Zero Two com o Hiro para construir um relacionamento mais humano, como se o sonho dela estivesse finalmente sendo realizado, o que, caso venha a dar merda, vai ter um peso bem mais emocional.

O envolvimento dos Nines nesse episódio concilia bem essa abordagem, deixando o espectador consciente do que está acontecendo ali. A Kokoro era o foco principal dos ataques, mas ela é um contraste direito para Zero Two também, reforçando que ela tem vários pontos que fogem do seu tão sonhado desejo, e que aquilo é apenas uma casca de conforto que ela se enrolou, como o Nine Alpha aponta no diálogo da floresta.

E ainda é meio irônico como ela fez ele deixar de ser humano também.

Já em relação aos acontecimentos com a Kokoro em si, eu diria que foram bem interessantes. Não por ter rolado o sexo e toda a treta em cima disso, mas sim por terem mantido um tom mais maduro da relação deles. Era meio previsível que eles fossem a válvula de escape sobre essa questão de reprodução e tudo mais, porém, isso conseguiu funcionar,  voltado a reforçar a questão de que eles podem fazer mais do que as ações predestinadas do Papai.

Resumindo, esse episódio conseguiu funcionar bem como desenvolvimento do enredo, trabalhando diferentes partes, mas sem perder muito o foco, como a introdução da princesa Urrossauro acontecendo sem grandes problemas, e mostrando uma lado da diplomacia de guerra que os humanos estão vivendo.

Se os deathflags não decepcionarem, pode ser que o anime consiga entregar um final bem interessante, abusando desse lado mais dramático. Agora é saber como vão fazer isso, e se vão.

Nota do autor

E você, que nota daria ao episódio?

Nota dos Visitantes
[Total: 379 Média: 4.4]

Extra

Antes de mais nada, vamos deixar aqui o “peço perdão pelo vacilo” por ter deixado o famigerado post de Darling em segundo plano, mas sabem como é xD

Já quero mais.

Sem entrar muito em questões de politicamente correto, mas é interessante ver esse tipo de abordagem.

Gif de violência enche linguiça, porque o vídeo do Marco complementa melhor o post.

 

Marcelo Almeida

Fascinado nessa coisa peculiar conhecida como cultura japonesa, o que por consequência acabou me fazendo criar um vicio em escrever. Adoro anime, mangás e ler/jogar quase tudo.