We Never Learn #07 – Impressões Semanais|Fumino-chi ao ataque!

Nas últimas semanas, We Never Learn vem se concentrando em centrar mais os acontecimentos em certas personagens, afinal, tivemos um episódio focado na Rizurin, um na Uruka, e o dessa semana que tratou de trabalhar a sensei e a Furuhashi.

As três aleatórias que você respeita!

Novamente, a direção conseguiu se consagrar com pequenas atitudes como, por exemplo, omitir o início do capítulo em que a Ogata perde os seus óculos, uma vez que, no mangá, é mostrado ela acordando com eles quebrados. No anime, como pudemos observar, nós não tínhamos essa noção, o que felizmente deu uma comicidade maior a cena, e uma sensação de que a polegarzinho supercomputador, realmente, estava irada de ciúmes naquele momento.

Além disso, também há ótimos gags durante a interação da Kirisu-sensei com o Nariyuki, principalmente, na cena que ela diz que não vê ele como um homem ainda, a sequência é muito engraçada, uma ótima tirada cômica que ficou ainda melhor que no mangá. A propósito, vamos elogiar a criatividade da composição de série também, que, parou de adaptar os capítulos cronologicamente.

Esse episódio adaptou os capítulos 20, 22 e 24 do mangá, pulando dois bem divertidos, porém, um deles (o 21) será adaptado no episódio seguinte, ou seja, tivemos um bom avanço no desenvolvimento das personagens para, aí sim, voltarmos àquela dinâmica de dividir a atenção entre as meninas com momentos cômicos e aleatórios.

Enquanto ao enredo, como eu disse na análise passada, a Kirisu-sensei havia falado sobre fracassos e tal, pois bem, tudo isso graças às suas escolhas “errôneas” do passado. Sinceramente, ela é uma personagem que eu gosto, não chega a ser fortemente o meu ship com o Nariyuki, mas eu gosto do background, melhor dizendo, da história dela em si.

É só uma mulher adulta que acabou se arrependendo do que fez na adolescência, o que traz uma filosofia bem humana até, afinal, quem nunca teve aquele sentimento de tempo perdido, não é mesmo? Embora a sensei disponha de uma personalidade “hostil”, o contraste que o Nariyuki faz ao mostrar para ela o outro lado da situação (no que diz respeito às escolhas) a faz crescer de pouco a pouco, além disso, um acréscimo a essa relação, é que as interações dos dois são sempre muito divertidas desse ponto da história para frente.

Aquela frase de efeito que é pra mudar os personagens ao ser redor!

Outro ponto legal para falarmos, é a visão que o Nariyuki tem da sensei, uma mulher madura que veste roupas maduras, todavia, aparece ela com o kit de moletom padrão Net-Juu no Susume, sério, a casa desarrumada, aquele clima de bagunça, só faltou o dakimakura, em outras palavras, essa cena é impagável, a propósito, eu bancaria um spin-off estrelado pela Kirisu onde ela fosse parar em um Isekai.

Porém, quem conseguiu chamar mais à atenção que a própria Kirisu-sensei nesse episódio foi a Fumino e os mal-entendidos à lá Gamers que foram muito engraçados. A cena da “missão impossível” que diga por si só, todavia, destaco a conclusão dessa que foi interessante, principalmente, pela percepção que a amiga da Fumino teve sobre a real relação entre a moça e o Nariyuki, e, claro, por aquele pedido “na brincadeira” que, evidentemente, teve um fundo maior.

Calma? É para os fracos, vamos avançar logo essas tropas!! Hahaha.

Em síntese, a Fumino teve uma ótima participação, seja no momento que ela empurrou o Nariyuki contra os peitos da Ogata ou na hora em que ela lhe deu uma “prensada” na árvore, indubitavelmente, a Furuhashi vem ganhando cada vez mais espaço. Além disso, a tão famosa sensei finalmente foi apresentada devidamente, mas diria que na briga de destaque, esse episódio ainda ficou com a Fumino.

Nota do Redator para o episódio: 4.5/5

Breno Santos

Estudante de inglês e japonês, 20 anos, amante de café e da cultura otaku no geral. Além disso, é fascinado por cinema e pelo trabalho executado por uma staff de animação.