We Never Learn #06 – Impressões Semanais

É verídico que Bokuben é bem simplório no que diz respeito as ações do enredo, porém, o simples é feito de maneira tão boa, que, a obra entretém e funciona muito naturalmente.

Professora sem classe (???) ou professora tsundere mesmo?! Hehehe.

Esses dois últimos episódios vieram muito fortes, principalmente, se levarmos em conta o desenvolvimento emocional das personagens principais. Embora o último tenha sido mais focado na Rizu, esse trouxe as coisas mais dispersas, fato que a direção consegue cadenciar bem para ser algo positivo.

A produção do episódio 6 estava, mesmo que minimamente, superior aos episódios anteriores. Um trabalho minucioso de character acting foi feito na Uruka para dar relevância as suas curvas e a outros atributos “kawai”. Além disso, a cena da chuva no santuário usou uma cinematografia realística muito boa, pode parecer besteira, mas trabalhar com elementos da natureza em animação é uma coisa complicada de fazer. Todavia, Bokuben tem se saído muito bem nisso, mesmo sendo uma obra de comédia romântica.

As caras e bocas foram engraçadas, mas a imagem é para destacar a chuva mesmo hehehe.

De mesmo modo, vimos uma ótima direção com excelente timing cômico que fez deste o episódio mais engraçado da série até aqui. São coisas bobas como as ilusões da Uruka, o quebra-cabeça se montando na cabeça da Furuhashi, e os gatos lambendo a Takemoto (de novo ela) no final que tornaram essa experiência hilária.

Gostei bastante dessa cena, além de ser hilária, foi uma jogada bastante criativa!
O mesmo para essa aqui, as ilusões dela (Uruka) deixam tudo mais engraçado, e depois dessa, a Takemoto vai ser conhecida como a Mulher-Gato hahaha.

No quesito enredo, os primeiros momentos tiveram o claro objetivo de apresentar a Kirisu-sensei, essa personagem tão aclamada pela fandom. Até esse momento, ela vinha como background de elenco, sempre mostrando um jeito ríspido e hostil, porém, a contraparte que o Nariyuki vê nela é o que torna a personagem especial.

Outro detalhe legal dessa sequência, é que temos uma “tímida” recapitulação de alguns acontecimentos de uma forma bem engraçada, afinal, as garotas entrando daquele jeito na sala acabava gerando somente mais mal-entendidos.

O que pede a atenção, é o que a Kirisu fala sobre as pessoas serem infelizes por fazerem escolhas erradas (guardem isso bem), pois a história da sensei é interessante. A preparação para os eventos futuros com ela foi feita de uma maneira leve e boa.

Subsequentemente, o foco foi no rumor gerado pelo beijo de Yuiga e Ogata e é uma loucura ver o quanto as coisas são distorcidas e o quanto elas influenciam no restante do elenco. O beijo acidental acabou sendo o epicentro, mesmo que indiretamente, para todos os eventos desse episódio.

Devido a isso, por exemplo, Uruka tem um declínio em seu desenvolvimento escolar (ao lado da Rizurin), e o interessante é que as coisas não acontecem de uma forma surreal nessa sequência, afinal, o que as duas tiveram foi um desequilíbrio emocional, que qualquer ser humano pode ter afetando seu rendimento; essa “humanização” cria uma boa aproximação com as situações reais do cotidiano.

Ao passo que essas duas mostram uma fraqueza emocional muito grande, a Fumino se elenca como alguém “superior” nesse quesito (pelo menos por hora), ela como uma conselheira amorosa gerou diversas situações engraçadas, e foi um dos grandes alicerces para o último ato do episódio. Essa interação das meninas é algo muito divertido, eu diria, uma vez que, é complicado achar um elenco de personagens com uma sinergia tão boa (normalmente tem um mais engraçado e só).

Particularmente falando, eu vejo o Nariyuki dispondo de uma relação muito especial e individual com cada uma das heroínas, o que me deixa sempre em cima do muro no quesito torcida. A prova maior disso foi o hint que ele teve com a Uruka no santuário, mostrando que esses dois “idiotas”, carinhosamente falando, dariam um belo casal. Todas as garotas (e eu incluo a sensei nisso) têm um potencial enorme, além de uma energia única, o que deixa a experiência para o público cada vez mais divertida.

Muita comédia, boa produção visual e um enredo com heroínas promissoras, basicamente, isso resume a primeira metade do anime, que, na minha concepção, entreteve bem e preparou um ótimo campo de atuação para o restante da obra.

Nota do Redator para o episódio: 4.6/5

Extras:

A QUE PONTO CHEGAMOS?! Pior que rumor escolar é desse nível mesmo (hahaha).
Momentos antes da merda acontecer! Hahaha.

Nariyuki no Jutsu?!
Uruka Style: Nariyuki se apaixone por mim no jutsu!!

Breno Santos

Estudante de inglês e japonês, 20 anos, amante de café e da cultura otaku no geral. Além disso, é fascinado por cinema e pelo trabalho executado por uma staff de animação.