Darling in the Franxx #14 | Impressões Semanais

 

Sempre lembrando que a análise escrita é do redator Marcelo. A análise em vídeo é do Marco.

Encerrando a semana passada com um episódio nas medidas certas, Darling in the Franxx coloca os pontos finais nos eventos que tinha dado início, trazendo assim, o fechamento do mini arco “Zero Two de TPM”. Como o esperado, ou melhor, como o desejado, as coisas acabaram tomando ares bem mais drásticos, já que as declarações da Zero Two pediam por isso.

Em adicional, a separação do casal, com as interferências de uma certa pessoa, devem ter gerado uma boa dose de emoções em quem assistia, conseguindo criar aquela boa e velha divergência de opiniões a respeito das ações dos personagens.

Mas antes vamos para a origem do problema.

Desde o episódio doze, uma das minhas maiores curiosidades era saber como criariam um bom desfecho para as declarações da Zero Two. Ela tinha colocado em xeque muitas das coisas que mantinham sua relação com o Hiro, dizendo que o via como ração e tudo mais. Sendo assim, terminar tudo em pizza, com um “desculpa ae”, seguido de um “vamos continuar juntos, 02”, seria bem sem graça.

Felizmente, o anime não seguiu por esse lado, apostando em um drama na relação do grupo, o que em si, foi uma ideia bem bolada, que merece alguns elogios pela tentativa.

O clima de amizade que tinha sido gerado entre eles estava bem estabelecido, e o grupo já tinha aceitado a ideia da Zero Two fazer parte do esquadrão. Não diria que foi um grande aproveitamento do que tinham em mãos, mas isolar a Zero Two dos demais, logo após ela dar uma primeiro passo em direção ao seu tão sonhado objetivo, dá uma sensação de profundidade maior ao desespero que ela vem demonstrando.

Por outro lado, esse mesmo drama acabou me dando uma sensação de desgaste ao decorrer do episódio. Aquela velha questão de causa/efeito não funcionou muito bem aqui, e o que poderia ser uma chance de intensificar o peso nas costas da Zero Two, no final, acaba dando uma sensação de “birrinha de criança mimada”.

Não que tenha sido ruim, mas podia ter sido melhor aproveitado.

Criar aquela linha de defesa em torno do Hiro era algo essencial, especialmente se estamos falando de um grupo onde existe um círculo de amizade “fechado”, mas ao menos do meu ponto de vista, essa proteção acabou se estendo um pouco. Primeiro, porque todos lá estavam cientes dos perigos que era pilotar com a Zero Two desde o início, o que me dá a sensação de que dramatizaram além da conta, algo que deveria ser de conhecimento comum, e esperado. Segundo, se no final a Ichigo iria ceder com um pouco de lógica, e permitir o encontro com o Hiro, não precisava segurar tanto o drama para entregar isso.

Essa é uma opinião mais pessoal, baseada no que gosto de ver em construções do tipo, então não precisa levar como uma verdade. Mas me deixa um pouco incomodado ver todo um episódio sendo negado em poucos minutos com uma solução simples.

Se você começa com uma decisão, acho mais coerente ir com ela até o final (não permitir que a Zero Two visse o Hiro), já que assim, as causas dessa atitude se mantém validas e não se perdem no caminho. Toda a sequência que acompanha essa decisão de deixar a Zero Two encontrar o Hiro, acabou me soando meio fraca e simples.

Ela surtou por um motivo tão bobo, que não me causou tanto impacto assim. Tem o lado dela estar abalada e tudo mais, porém, isso ainda acabou se perdendo um pouco para mim. Se tivesse mantido a posição inicial, forçando a Zero Two passar por cima dos membros do esquadrão, e invadir o quarto do Hiro, soaria bem mais coerente, e daria um peso ainda maior para a fala do Hiro, já que ela teria se comportado como um verdadeiro monstro, e não apenas demonstrado instabilidade emocional com base em coincidências do roteiro.

Seria também legal ver a continuação daquela briga, ao invés de uma “reviravolta” em cima de uma “mentira”.

Para finalizar, não podemos deixar de falar dela, da senhorita Ichigo, e toda a sua persistência em proteger o Hiro. Nesse quesito, eu particularmente acho legal dividir em duas partes. Primeiro, vamos ao sentido lógico de tudo ali, levando o ponto de vista do personagem em consideração.

O Hiro foi a base emocional e psicológica dela, logo, eu não acho que o seu comportamento tenha sido errado, ou exagerado. Ela tinha motivos suficientes para agir daquela forma, e a sua maneira de agir deixa isso claro, tanto que a sua declaração é triste de ver, completamente perdida, e sem qualquer apelo emocional forte o bastante para se sustentar como uma demonstração de amor.

O segundo ponto, vem justamente em cima disso, e acaba caindo naquela questão de deixar o emocional falar mais alto.

Para gente que está do lado de fora, aquilo acaba pesando um pouco mais. No meu caso, o que mais me incomodou foi o Goro observando tudo de longe, enquanto a declaração acontecia. O pessoal vai acabar pesando mais ali do que qualquer outra coisa, e acho que não adianta discutir muito sobre isso.

Eu não vi nada demais no que a Ichigo fez pelos motivos falados acima, e por mais que tenha acontecido a confissão com o beijo, foi tão desesperado e circunstancial, que nem soa como uma ameaça para a Zero Two. Ela impedir os dois de se verem era compreensível também, por mais que tenha me dado a sensação de que forçaram um pouco demais.

Seja como for, o episódio dessa semana consegue trabalhar bem o drama que se propõem, e criar um desfecho interessante para a crise existencial da Zero Two. Minha única ressalva fica para como esse fechamento acaba sendo um reset para o plot, já que volta para a velha questão de “Zero Two precisa pilotar com o Hiro”, mas isso é algo que só dá para tirar conclusões a medida em que forem progredindo com o enredo, então veremos como a história seguirá nos próximos episódios.

Nota do autor

 

E você, que nota daria ao episódio?

Nota dos Visitantes
[Total: 572 Média: 4.1]

Extra

Visualizado em :

Espero que seja verdade, e não acabe como nas últimas vezes em que deveria ser algo perigoso…

Pisada de bola?

Foi um bait até que legal…

Quando vi essa sequência, pensei que Hiro tinha provado o sangue da Ichigo que ficou na faca, e que elas encontrariam ele transformado no quarto, mas no final, foi só uma fuga qualquer.

Quero ver mais desse povo aí. Parece interessante.

Precisa muito explicar isso melhor.

Marcelo Almeida

Fascinado nessa coisa peculiar conhecida como cultura japonesa, o que por consequência acabou me fazendo criar um vicio em escrever. Adoro anime, mangás e ler/jogar quase tudo.