Mahoutsukai no Yome #22 – Impressões Semanais

Talvez esse tenha sido um dos mais intrigantes episódios da temporada. Totalmente voltado para o passado de Chise, agora vimos uma nova perspectiva sobre a história da sua infância e uma superação muito sincera.

A princípio, já era um tanto óbvio que Joseph tentaria trocar sua condição com Chise, mas ao contrário do que imaginei, foi mais uma chantagem do que escolha. O problema nisso é como ficaria a vida de Chise após a troca das maldições.

Melhor abordagem

A cena do olho foi uma das mais agonizantes que já vi, mas devo admitir que a criatividade e o impacto da mesma foram bem efetivos para esse clímax do arco. Soou como algo bastante simbólico, tanto em relação a troca de maldições, quanto a troca de visões e perspectivas entre os dois.

socorro

Assim conhecemos a verdadeira história da família de Chise. Vimos uma garotinha completamente diferente da adolescente atual, cheia de energia, rodeada de amor e felicidade.

Sua família parecia ter uma rotina normal, mas no final das contas, chega um momento que até nós espectadores sentimos que é um tanto forçado. Seja pelo sorriso da mãe ou a falta de preocupação do pai.

E não sabemos o motivo de seu sumiço. Assim, mesmo solucionando o mistério de como realmente foi o passado da Chise, cria-se outro a respeito da saída de seu pai, e onde ele e o seu irmão estariam agora.

Na moral, essa família era linda demais.

O real motivo do suicídio da sua mãe finalmente é completamente esclarecido. Há quem possa achar que foi algo raso, mas a representação de sua história após o abandono do marido consegue transmitir algo muito próximo do que ela estaria sentindo.

Sua fragilidade é algo muito impactante, mesmo ela tentando ao máximo segurar o peso nas suas costas. As repetências das frases “vai ficar tudo bem, eu preciso protege-la” também foi algo extremamente pesado ao longo de sua narrativa.

É como se eu apoio tivesse sumido e ela se forçasse a ficar de pé. No final ela apenas não aguentou. O autor não criou uma situação cabulosa para justificar seu fim, apenas concluiu que mesmo persistindo ela se viu quase cometendo o erro de matar sua filha e se culpou por isso, cansou.

As expressões dessa animação foram o suficiente para entender tudo.

Vimos dor da partida, de segurar tudo sozinha e ter o desfecho completamente diferente uma possível superação. Mais impactante que isso só a maturidade da Chise para desvincular todo esse lado negativo de sua infância.

Ela foi sincera consigo mesma não oferecendo perdão, até porque a morte é uma ação irreversível para se perdoar alguém. Além disso foi sincera ao entender que mesmo com imagens ruins de sua mãe, ela tinha que preservar as boas e se desprender do maior fardo de sua vida.

Ainda não superei essa cena.

Assim, outro ponto curioso foi o tal “fragmento” do Joseph. As cenas nas quais ele apareceu soaram bastante confusas e subjetivas, até ficar claro que ele seria a forma de sua maldição. Contudo, a última cena em si foi bastante complexa.

Como a Chise estava inconsciente, acredito que a personalidade da maldição a tomou e atacou Joseph, mas isso é bastante incerto. E sobre seu “desejo” possa ser que ele queira entender porquê de suas ações durante sua imortalidade.

Sem dúvidas, curioso.

Além disso, dentre os mitos contados em Mahoutsukai, Joseph tem o mais cristianizado. A história se trata do Judeu errante, Joseph Cartaphilus, que após provocar Jesus no caminho de sua crucificação, foi amaldiçoado a ser imortal até o Apocalipse.

No final, somente a maldição e o nome são tomados pelo anime, ignorando os outros aspectos da história. A questão agora é se Chise irá concluir a troca dessa maldição ou não, e qual será o final definitivo de Cartaphilus.

Nota do autor

 

E você, que nota daria ao episódio?

Nota dos Visitantes
[Total: 103 Média: 4.6]

Extras

Às vezes até dá pena.

Olha o sorriso mais culpado do universo…

O trauma.

A superação.

Olha esse antes.

Olha esse depois.

Mini Chise me representa hahaha

A diferença desses olhinhos é gritante.

#medo

Serena.

“Você é livre”

O que foi essa cena que mal conheço e já considero pacas?

Chise, você cresceu tanto.

Lágrimas, apenas lágrimas.

Victoria Caroline

Engenharia, literatura brasileira, fotografia, vídeos de receitas, música boa e cultura japonesa. Não necessariamente nessa ordem. Às vezes acorda meio de humanas (quando consegue acordar).