Kaguya-sama: Love is War S2 #03 — Impressões semanais

Que episódio feelsbad! Eu entrei rindo e saí chorando… brincadeiras à parte, foi muito importante ver mais traços do Shirogane; além dos quatro principais juntos em uma sequência de acontecimentos emocionantes.

Pare! Aprecie o olhar da Kaguya… pronto, agora já pode continuar seu texto! ~

O primeiro tópico que achei interessante é a paixão por astros que o Miyuki tem. A esquete da lua expôs esse ponto sensível sobre ele, e eu achei muito bacana, mas a considerar que já aconteceram esquetes à noite, essa paixão gigantesca do Shirogane deveria ter sido exposta pelo menos uma vez (se foi, não lembro).

Edit sobre esse parágrafo: o Fábio Lira comentou que já houve um “foreshadowing” sobre ele gostar de astros lá no episódio 2 da primeira temporada, então, caso alguém não lembre também, aí está. 

A esquete, apesar de ter sido um prelúdio dos bad feelings, conseguiu entregar cenas bastante divertidas. O Miyuki todo bobo agarrando a Shinomiya enquanto falava sobre astronomia, certamente, foi muito apreciativo para a minha pessoa.

Shirogane em seu momento de epifania ~

Contudo, o grande ponto dessa esquete foi a analogia do conto da princesa Kaguya. Eu amo quando esses contos da cultura nipônica são abordadas dentro das obras, e aqui foi ainda mais importante devido ao nome da protagonista.

De fato, aquela parte dela supostamente odiar a lua me chamou à atenção, porém, tenho as minhas dúvidas sobre como ela pensa depois de todos os ocorridos nessa esquete.

Quanto ao Miyuki, todo o monólogo dele falando que, se dependesse dele, iria até a lua atrás da Kaguya-hime, foi muito bom. Nós, como telespectadores, sabemos que por mais que não tivesse o contexto do conto da princesa, Miyuki Shirogane faria isso por Kaguya Shinomiya.

In love com essa cena 💕~

Entretanto, a protagonista da obra não tem esse conhecimento, e o efeito que isso gerou nela já foi perceptível adiante… principalmente na cena final do episódio na qual ela agarra no braço dele e pede para ele se reeleger, foi fofo e “perigoso” ali para ela.

Inclusive, tratando dessa sequência final, todo o monólogo da Kaguya sobre egoísmo foi bem marcante, principalmente quando contrastamos com a atitude dela, que por si só já foi bem humana, ninguém quer sofrer, então em muitos momentos somos egoístas, como a Kaguya foi.

Outro momento marcante! ;-;

A Kaguya vem demonstrando cada vez mais sinais de que está “perdendo” a guerra, e esse episódio foi um “passo em falso” no território inimigo. Minha analogia para isso? A Kaguya basicamente está entrando na Rússia durante o inverno.

O restante do episódio foi a despedida do conselho estudantil, e aquilo parecia sequência de final de temporada (ou até de anime). Confesso que fiquei mexido um pouco, pois me trouxe um sentimento parecido com o que eu senti no final de Sakurasou; guardada as devidas proporções, obviamente.

Cenas que me destruíram, pt 1 ~
Cenas que me destruíram, pt 2 ~

Prosseguindo e sendo sincero com vocês, eu não consigo ter uma opinião formada sobre a decisão do Shirogane de se reeleger. Um lado de mim achou ótimo (o Breno Moron), pois o clima de comédia continua e já que é uma comédia, quero rir.

Porém, meu lado mais crítico pensa diferente (olha o Breno Ice aí), sinto que se esse desmembramento tivesse realmente acontecido, poderíamos ter um avanço muito considerável na forma deles lidarem um com o outro.

Por exemplo, a Kaguya chamando ele pelo nome e vice-versa, o nome, para a cultura japonesa, é um fator muito importante, como sabemos.

Ambas dariam um leque gigantesco de possibilidades para o autor, mas acredito que a segunda opção seria melhor ainda se fosse um término de temporada, visto todo o marasmo que ela gerou, como esse não foi o caso, voltamos a nossa programação normal (e esse é o veredito do Breno Child).

O clima do episódio como um todo foi bem marcante, esse é um daqueles que eu veria mais de uma vez. A ambientação noturna, as luzes fracas, a fotografia acinzentada, a trilha sonora… tudo acertou em cheio para causar uma emoção de tristeza.

A obra tem uma segunda camada de drama muito bem feita, e isso vai ficar mais explicito em um certo arco que está por vir. Eu admiro muito obras de comédia romântica que conseguem dar esse passo a mais, pois nem tudo no cotidiano é alegria.

Essa cena foi linda, não só no sentido visual ;-;

O ponto positivo é que nem tudo foi triste. As cenas da Chika agredindo o Ishigami foram hilárias; e a cena em específico que a Kaguya deixou claro que selecionaria a deusa Kashiwagi como secretária ao invés da Fujiwara me fez rir muito.

Outro ponto legal é que alguns minutos foram usados como uma pequena recapitulação do que aconteceu na primeira temporada, e foi bem funcional, já que usaram os sentimentos dos personagens a favor. E convenhamos, foi bem melhor que um episódio inteiro disso.

Vocês perceberam que hoje não teve tabelinha, certo? É que dado o clima do episódio, não vi muito sentido usar, porém, isso não significa que não tenha um vitorioso nisso tudo. O Scudetto de honra dessa semana vai para Miyuki Shirogane, que esteve no controle durante todos os momentos.

Agora, são dois Scudettos para a Kaguya e um para o Miyuki, a disputa vai melhorando, e parece que ficará ainda melhor a partir da semana que vem, quando aquela menina que não pode ser citada ainda aparecerá.

Em linhas gerais, enquanto a Kaguya segue “pisando em ovos” nesse início de temporada, o Miyuki segue bem firme no posicionamento, ele gosta dela, mas não está tão abalado que nem ela. Foi um episódio com uma carga mais dramática, mas ainda assim me agradou muito, então, hora de limpar as lágrimas, e continuar.

E vocês? O que acharam desse episódio de Kaguya-sama?

Extras

Chika presidente! KKKKKKKKKK ~~
Esse momento, esse pequeno momento = tudo pra mim! ksksks hail Kashiwagi ~

Breno Santos

Estudante, 21 anos, amante de astronomia, café e cultura otaku no geral; além disso, é fascinado por cinema e pelo trabalho executado por uma staff de animação.