Primeiras Impressões – Temporada de Janeiro 2020

Atualizado: 14/01

Todos (ou quase) os animes da Temporada de Janeiro 2020 comentados.

Ao longo do tempo mais análises serão adicionadas conforme as mesmas forem saindo. As atualizações vão ficar descritas no final do post.

Guia em vídeos:

Guia da temporada anterior:

 

 

Animes da temporada anterior que continuam nessa:

  • Hero Academia 4
  • Fate Grand Order
  • Nanatsu no Taizai 3
  • Radiant 2
  • Ahiru no Sora
  • Chihayafuru 3
  • Kabukichou Sherlock
  • Iruma-kun

Darwins Game

Fonte: Mangá
Gênero: Ação, Mistério, Sobrenatural
Diretor: Yoshinobu Tokumoto (Comic Girls)
Estúdio: Nexus (Granblem, Comic Girls)
Estreia: 03/01
Episódios: 11
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 
Na história o protagonista recebe um convite para um misterioso aplicativo de smartphone. Assim que ele o instala ele acaba envolvido em um jogo onde cada jogador usa de habilidades especiais dadas pelo jogo para lutar um contra o outro. Agora o protagonista tem que descobrir o que está acontecendo, e como parar o jogo, enquanto tenta sobreviver na guerra até a morte entre os players.

Mini-review:

Marco

Nota: 4/5

Geralmente quando dão episódio duplo é porque querem chegar na parte de impacto para o povo não dropar no episódio 1, mas esse até que tinha algo de movimento logo de cara, e não parou mais desde então. Os básicos são explicados através dos acontecimentos ao invés de um monologo gigante, só sobrando algumas dúvidas que devem ser respondidas no próximo episódio.

A animação se mantem relativamente fluida até em cenas que não precisa, com o diretor querendo manter a câmera em movimento constantemente (ela aproximando lentamente pelo lado e depois girando em volta da heroína no armazém foi um dos momentos mais fáceis de notar). Já o design é meio inconsistente as vezes, mas nada que incomode muito. O que mais chamou atenção foi a direção de som e bom uso da trilha sonora, esses são bem fáceis de reparar.

O protagonista embora não seja apelão ou coisa do tipo, não faz feio também, e a Yuno loira te deixa curioso com o que fala no final…

Para quem quer um anime de ação direto e reto esse aqui pode ser uma boa pedida, uma pena que serão só 11 episódios, mas pode ser que anunciem split cour depois.

Marcelo

Nota: 3.75/5

Uma boa estreia. Deram uma bela aproveitada na introdução da história, deixando as coisas bem mais calma e clara do que no mangá, o que ajuda entrar no clima do jogo mais fácil do que só ver o protagonista sendo jogado lá.

No entanto, achei que deixaram a desejar na intromissão da Shuka no primeiro jogo. Mal dá para notar que é ela quem está ajudando o protagonista pelo telefone, o que faz com que o primeiro encontro entre os dois seja muito retentido e “conveniente”.

De resto, foi um episódio bem movimentando, com algumas cenas legais e servindo bem como apresentação do jogo maluco que o protagonista se meteu.

Dorohedoro*

Fonte: Mangá
Gênero: Ação, Fantasia
Diretor: Yuichiro Hayashi (Garo the Animation, Garo: Divine Flame, Kakegurui)
Estúdio: MAPPA (Dororo, Kakegurui)
Estreia: 12/01
Episódios: 12
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 

Em uma cidade sombria, conhecida apenas como “O Buraco”, um clã de feiticeiros tem arrancado as pessoas das ruas para usá-las como cobaias em atroz “experimentos”.

Em um beco escuro, Nikaido encontrou Caiman, um homem com cabeça de lagarto e um caso grave de amnésia. Para desfazer o feitiço colocado nele, os dois começam a caçar feiticeiros na cidade, esperando que eventualmente matem o certo. Mas quando En, o feiticeiro chefe, recebe a notícia de um homem-lagarto massacrando seu povo, ele envia uma equipe de “limpadores” para cuidar do assunto, iniciando uma guerra entre dois mundos.

Mini-review:

Marco

Nota: 4/5

Por um lado a série foi bem mais divertida do que eu esperava, e por outro o CG foi muito mais usado do que eu previ pelo trailer. Mais da metade do anime é com os personagens em CG, mesmo que um bom o bastante para enganar alguns parecendo 2D.

O que vende mais aqui é a história no entanto. Não perdem tempo com monólogos chatos de explicação, simplesmente te jogam no meio da bagunça desse mundo e você tem que ir pegando as coisas com o tempo (magos, mundos diferentes, etc). O homem lagarto é divertido, assim como a companheira dele, e com a trama se mantendo em constante movimento, é difícil ficar entediado.

Outro fator que chama atenção é a violência constante, principalmente a cena do final… Em suma, para quem está em busca de algo com uma cara de novidade (o que não falta é coisa louca nesse anime), movimentado e brutal, esse anime pode ser uma boa pedida.

Infinite Dendrogam

Fonte: Light Novel
Gênero: Ação, Aventura, Comédia, Fantasia
Diretor: Tomoki Kobayashi (Akame ga kill, Seiren)
Estúdio: NAZ (Angolmois, Ore ga Suki nano wa Imouto dakedo Imouto ja Nai)
Estreia: 09/01
Episódios: —
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 

No ano de 2043, o game Infinite Dendrogram, o primeiro VRMMO de imersão completa no mundo, foi lançado. Além de sua capacidade de simular perfeitamente os cinco sentidos, juntamente com muitas outras características surpreendentes, o jogo prometia oferecer aos jogadores um mundo cheio de infinitas possibilidades.

Quase dois anos depois, Reiji Mukudori, um futuro calouro da faculdade, finalmente consegue comprar uma cópia do game e começa a jogar. Com ajuda de seu experiente irmão mais velho, Shu, e seu parceiro Embryo, Reiji embarca em uma aventura no mundo de Infinite Dendrogram. O que ele descobrirá e encontrará neste mundo virtual conhecido por seu incrível realismo e infinitas possibilidades?

Mini-review:

Marco

Nota: 3.25/5

Esse aqui vai lembrar muito SAO no começo… Mas não, ninguém fica preso no mundo online, embora introduzam uma penalidade criativa para quem morre.

O autor tenta vender a história com um realismo tão grande no mundo virtual que você não sabe o que é real e o que são apenas IAs, e até que faz isso bem, apresentando o sistema de quests e outras coisas sem apelar (demais) para os monólogos sem fim de explicação, embora existam.

Termina com um pouco de ação também, e embora eu tenha achado meio exagerado e clichê o protagonista ganhar uma arma overpower daquelas no começo do game, ao menos ela é simpática. De resto uma introdução razoável que não impressiona e nem faz feio, tanto no roteiro quanto no visual.

Quem quer uma aventura leve, mas que se leve a sério, pode valer uma chance.

Marcelo

Nota: 3/5

A apresentação do mundo do anime foi bem interessante, principalmente a parte das IAs e de como as quests são iniciadas. Ninguém morre de verdade se morrer no jogo, mas o fato das AIs não serem renovaveis acaba compensando isso e dando uma certa tensão para história.

O único problema para mim foi o exagero no protagonismo do garoto. Ele era nivel 0 e se virou muito bem para uma quest de alto nível, ainda mais puxando um hack no final com a espada OP.

No geral, não foi uma estreia ruim, e deve funcionar bem para quem gosta de ação e essa temática VRMMORPG.

Kuutei Dragons (Drifting Dragons)

Fonte: Mangá
Gênero: Aventura, Fantasia
Diretor: Tadahiro Yoshihira (diretor assistente de Blame)
Estúdio: Polygon Pictures (Ajin, Knights of Sidonia)
Estreia: 08/01
Episódios: 12
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 
A história acompanha a vida cotidiana da tripulação do navio voador Quin Zaza, que ganha a vida caçando dragões. Para viver, eles não têm direito ao fracasso, porque é a única maneira de ganhar dinheiro e se alimentar.

Mini-review:

Em breve.

In/Spectre (Kyokou Suiri)

Fonte: Light Novel
Gênero: Ação, Mistério, Sobrenatural, Romance
Diretor: Keiji Gotoh (Endride, Kiddy Grade)
Estúdio: Brain’s Base (Durarara, Baccano)
Estreia: 11/01
Episódios: 12
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 

Quando era uma criança, Kotoko foi sequestrada por um youkai. Esses espíritos a transformaram numa poderosa intermediária entre o mundo espiritual e o mundo humano, mas esse poder teve um preço: um olho e uma perna.

Agora, anos depois, ela procura por yokais perigosos, enquanto desenvolve sentimentos por Kuro, um jovem que ganhou poderes de cura, após um incidente com um yokai. O jovem fica surpreso quando Kotoko pede que ele se junte a ela para monitorar yokais renegados, e assim preservar a fina linha entre a realidade e o sobrenatural.

Mini-review:

Marco

Nota: 4/5

Até que se viraram bem com um início que poderia ser bem maçante, já que metade dele é um bate papo entre os dois protagonistas. As constantes mudanças para abordar flashbacks da garota ajudaram bastante a dar uma quebra e não deixar as coisas monótonas, e a forma como ela é direta também entretêm e causa algumas risadas.

O final dá uma movimentada e te deixa com certeza curioso com o protagonista, então a estreia fez um bom trabalho em geral.

A única parte mais fraca é a técnica. Nada horrível, mas como já alertava nos guias de temporada, é bem mediana, tanto animação e direção. O que mais irrita no entanto é aquele filtro que deixa o anime inteiro parecendo nublado do começo ao fim, é como ter uma tela esbranquiçada atrapalhando você ver melhores os personagens e não destacando em nada eles no cenário. Como o diretor é bem velho e já vi isso em animes antigos só consigo pensar que ele está tentando dar uma cara datada ao anime, o que acho uma péssima ideia.

De qualquer forma, para quem busca um romance com ação com certeza vale uma chance. Começa morno mas a estreia fica bem interessante no final.

Marcelo

Nota: 4/5

Acho que foi uma das estreias que mais me agradou até agora. O papo a dois dos protagonistas tem muito carisma, e a situação por si só te mantem bem entretido (a garota se apaixonar, mas o cara já ter namorado, o motivo dele terminar e tudo mais).

A garota é de longe o que mais se destacou para mim, com uma personalidade carismatica e bem diferente do que se esperar de uma heroína de ação. O garoto também não faz feio, e o mistério criado em cima dele faz com que a história ande bem e te deixe curioso para ver mais. Somando os dois, você tem um casal que se vende em poucos minutos, e de ganha fácil.

A parte final tem um pouco de ação, e a forma como ela se resolve é bem inusitada, o que só colabora para te deixar ainda mais interessado no que pode sair da história.

Para quem gosta de romances vale a pena dar uma conferida só por essa parte. Já para quem prefere ação e coisas do tipo, vale a tentativa para ver como fica nos próximos episódios, já que a mitologia é boa, e a apresentação da história parece dar chances de criar algo interessante

Magia Record: Mahou Shoujo Madoka Magica

Fonte: Jogo
Gênero: Ação, Mistério, Sobrenatural
Diretor: Doroinu (primeiro trabalho)
Estúdio: Shaft (Monogatari Series, Sangatsu no Lion)
Estreia: 04/01
Episódios: 13
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 

O jogo, que é um spin-off do anime Mahou Shoujo Madoka Magica, foi lançado em agosto de 2017 para iOS e Android. A história é ambientada na cidade de Kamihama, onde as garotas mágicas se reúnem e batalham com um novo poder extraído das bruxas.

Iroha Tamaki chega a esta cidade e se junta a outras garotas mágicas para procurar sua irmã mais nova, Ui. Em pouco tempo, Homura Akemi também aparece. “Se eu puder entender o mistério desta cidade, talvez eu possa salvar Kaname”.

Mini-review:

Marco

Nota: 4/5

Mantiveram as bruxas e ambientação sinistra do antigo Madoka (e a trilha sonora), só trocando o design de personagens por algo que não cause tanta estranheza quanto o original (aprovado).

A trama se mantem bem movimentada também, e cheia de mistérios pipocando. Diferente do original esse aqui não está interessado em se fingir se leve e bonitinho para o plot twist, e inclusive parece já esperar que você conheça o predecessor, porque não explicam várias coisas básicas do mundo que deixariam novatos meio confusos.

E felizmente tem uma Homura nesse também, tão badass e mal humorada quanto. A parte técnica fez bonito também, balanceando as esquisitices do mundo das bruxas com boa animação normal.

Em suma, para quem gostou de Madoka recomendo demais dar uma olhada nesse. Agora para quem não conhece o anterior esse não é indicado.

Marcelo

Nota: 4/5

Meu maior medo era não conseguirem entregar uma experiência parecida com a de Madoka original, mas, felizmente, tudo deu certo.

O inicio é um pouco confuso, mas com o decorrer do episódio as coisas vão se situando melhor. Para quem acompanha o jogo, as mudanças da história são curiosas. Ainda é cedo para dizer que são boas, mas me deixou bem otimista com essa abordagem mais direta.

A direção também conseguiu entregar aquele toque Shaft, com algumas cenas bem legais, ao melhor estilo Madoka, como os ursos de pelucia sequestrando as crianças enquanto explicam sobre se tornar Mahou Shoujos, e as mensagens de “Bruxa boa, é bruxa morta” nos anuncios do trêm.

Para quem é gosta de Madoka, vale a pena dar uma olhada e torcer para o anime conseguir manter esse nível de qualidade até o final.

Plunderer

Fonte: Mangá
Gênero: Ação, Mistério, Fantasia
Diretor: Hiroyuki Kanbe (Oreimo)
Estúdio: Geek Toys (Kawaikereba Hentai demo Suki ni Natte Kuremasuka? )
Estreia: 08/01
Episódios: 24
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 
A obra se passa em um mundo onde as pessoas são numeradas assim que nascem. Essa numeração pode significar qualquer coisa: Vezes em que comeu algo que gostava, quantos quilometro caminho. Quando a contagem chega a 0 a pessoa é enviada para o Abismo. A história acompanha uma garota em busca de um antigo herói, depois da morte de sua mãe.

Mini-review:

Marco

Nota: 3.5/5

Ainda bem que o episódio desse foi duplo, porque ele só me ganhou no finalzinho. O protagonista quanto entra no modo sério e depressivo fica bem mais interessante que no modo “Meliodas”, e embora o twist dele ser mais do que parece ser meio manjado, a parte final eu não esperava. Digamos que o clichê padrão de uma cena daquelas é ele parar, e não terminar naquele tom dramático. Aquilo eu gostei.

Já a heroína espero que fique mais forte e independente (como alguns comentaram para mim), já que princesa indefesa é muito sem graça. A trilha sonora não chama tanta atenção, mas a animação consegue entregar quanto necessário (cenas de ação ou drama), mesmo que com algumas leves inconsistências aqui e ali.

Quem curte ação e não se importa com um pouco de fanservice pode valer dar uma chance.

ID:Invaded

Fonte: Original
Gênero: Suspense, Sci-fi
Diretor: Ei Aoki (Re:Creators, Fate/Zero)
Estúdio: Troyca (Re:Creators, Fate Gray)
Estreia: 05/01
Episódios: 13
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 
A história acompanha Sakaido, um detetive que se vê em um estranho mundo virtual tendo de resolver um mistério envolvendo o assassinato de uma garota chamada “Kaeru-chan”.

Mini-review:

Marco

Nota: 3.5/5

O conceito de entrar no subconsciente em forma de mundo de um serial killer para conseguir pistas é interessante, e o anime é muito bem dirigido também. Só esperava alguma surpresa no final (tipo Babylon fez ano passado), e tudo acabou bem de boa até.

Esse é um que vai ter que dar alguns episódios para ver a que veio, mas para quem curte anime de investigação e sci-fi vale dar uma chance.

Marcelo

Nota: 3.5/5

A proposta é bem interessante. Lembra um pouco de pyscho-pass com o equipamento que pode medir a intensão assassina nas pessoas, mas tem sua própria identidade.

Os dois episódios conseguem funcionar bem, concluindo esse primeiro caso e adicionando vários pontos curiosos, como as aparições dentro do mundo dos subconsciente dos criminosos, e a origem do detetive, já que, pelo final, ele não é tão bonzinho assim.

Itai no wa Iya nano de Bougyoryoku ni Kyokufuri Shitai to Omoimasu*

Fonte: Light Novel
Gênero: Aventura
Diretor: Shin Ōnuma (Fate/kaleid liner Prisma Illya, Imouto Sae Ireba Ii) | Mirai Minato (Masamune-kun’s Revenge, Sunohara-Sou no Kanrinin-san)
Estúdio: SILVER LINK (Rakudai Kishi no Cavalry, Fate/kaleid liner Prisma Illya)
Estreia: 08/01
Episódios: 12
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 

A história acompanha uma garota que foi convidada para um VRMMORPG pela amiga de escola, mas, por conta de suas preocupações em sentir dor, acaba criando um personagem totalmente focado em defesa. Graças a ter colocado todo os seus pontos em VIT (vitalidade) ela conseguiu a skill especial “Absolute Defense”,  que não a deixa tomar nenhum dano, ou sentir dor.

A partir daí, mesmo não sendo capaz de se mover rapidamente, usar magia, e tendo uma força menor que a de um coelho, Maple começa a se aventurar com seus amigos no mundo do jogo.

Mini-review:

Marco

Nota: 3.5/5

Esse foi bem mais divertido do que eu esperava. As mecânicas do mundo parecem até que foram criadas para beneficiar tudo que a heroína faz, seja certo ou errado. Se fosse algo sério seria até um contra, mas claramente não é esse o objetivo aqui.

Se você deixar de lado esse fato (que aquele RPG não faz sentido), dá para rir um bocado com as reações engraçadas da heroína, principalmente a ação inesperada que ela toma no final para derrotar o boss. Meu deus, não faz nenhum sentido, mas eu ri muito daquilo.

A produção está bonita também e o timing do diretor no ponto certo. Para quem quer uma aventura leve com foco em comédia, vale uma chance.

Marcelo

Nota: 3.5/5

Mais um daqueles casos de RPG/Isekai feitos para serem puro entretenimento e diversão. A parte da garota enfrentando o boss é bem boba, mas no resto é legal.

A protagonista me surpreendeu um pouco, porque pela proposta eu esperava uma garota chorana e medrosa, que ficasse sempre correndo das lutas para não sentir dor, mas é muito pelo contrário, ela se aventura sozinha pelo mundo, e por mais que conveniente, é divertido ver ela upando as skills dos jeitos mais aleátorios possíveis.

Para quem gosta dessas obras mais descompromissadas, vale a pena dar uma olhada.

 

Oshi ga Bodoukan Ittekuretara

Fonte: Mangá
Gênero: Comédia, Música
Diretor: Yuusuke Yamamoto (NHK ni Youkoso! Shounen Maid)
Estúdio: 8-bit (Grisaia no Kajitsu, Knight’s & Magic)
Estreia: 09/01
Episódios: 12
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 
A história acompanha uma fã fanática por Idols chamada “Eripiyo”, que ao ver a tímida estrela de Maina, decide que vai apoiá-la a todo custo, sem importar como, até que a Idol consiga alcançar seu sonho de se apresentar no maior palco do Japão, o Budoukan.

Mini-review:

Marco

Nota: 2.5/5

Embora com uma produção invejável (dança em 2D bem feita incluída) e um design de personagens absurdamente detalhado, mesmo quando em movimento, a história desse anime não tem praticamente nenhum apelo para o povo do ocidente.

São 20 minutos mostrando uma mulher obcecada por uma idol ao ponto de parecer doentio. Não só isso, mas embora reflita sobre o fato da obsessão dela estar prejudicando o crescimento da idol que ela gosta de conseguir novos fãs (e diga que deseja dividi-la com o mundo), a mesma se recusa a mudar sua atitude ou ações até o final do episódio.

Embora exista um tom cômico ali, para mim só pareceu bizarro e perturbador as ações da personagem, doentio até, já que mostra tudo que ela sacrifica da própria vida e todo dinheiro que ganha stalkeando e comprando produtos em quantidades absurdas de sua idol favorita.

Daria um ótimo drama ou documentário sobre a obsessão de fãs de idols, e ai é que está, a história até agora não é nenhum dos dois, só a narrativa de uma fã louca em seu dia a dia de stalking com outros fãs. Talvez tenha quem goste, e o diretor até se esforça para vender a história, mas eu não vi nada nem perto de valor como entretenimento ali, só um anime com produção premium sobre uma pessoa que precisa de tratamento para ontem.

Marcelo

Nota: 3/5

Não se tornem otakus obsessivos, crianças… Brincadeiras a parte, o anime é uma comédia, e como tal, vem com seus exageros. Personagens do tipo estão em tudo quanto é canto em animes, mesmo que não seja o foco (Shinpachi de Gintama é um exemplo).

A diferença é que aqui é só sobre eles, o que causa essa sensação de desconforto, já que é claramente um comportamento doentio e destrutivo (para ambos os lados).

Do ponto de vista de uma comédia não achei nada demais. O humor não foi dos melhores para mim, mas deu para dar algumas risadas. A garota ter uma única roupa é tão absurdo que é nítido ser uma satira aos otakus do tipo.

Em adicional, o anime também tenta mostrar um pouco do lado dos fãs, como eles passando horas no sol só para tirar fotos e conseguir o primeiro lugar na fila, além do lado motivacional da coisa, já que a Idol não tinha fãs, e no fim gosta do apoio que a outra dá para ela, só não tem coragem para dizer.

No geral, é uma tentitva de comédia diferente, tentando vender piadas em cima dessa obsessão doentia que alguns fãs criam, que sim, é errado, igual adultos idolatrando crianças de forma romantica, e tudo mais que faz parte do pacote politicamenteincorreto da cultura japonesa.

Eizouken ni wa Te wo Dasuna!*

Fonte: Mangá
Gênero: Slice of Life, Comédia
Diretor: Masaaki Yuasa (Devilman: Crybaby)
Estúdio: Science SARU (Devilman Crybaby)
Estreia: 05/01
Episódios: 12
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 
A história acompanha um trio de garotas que sonha em produzir um anime.

Mini-review:

Marco

Nota: 3.25/5

Como praticamente todo anime desse diretor ao longo dos últimos anos, o design de personagens é super simplificado para ajudar na fluidez (embora aqui seja algo que vem do mangá também). Deveria ajudar na consistência, mas como Devilman deixa claro, esse diretor não dá a mínima para consistência, independente do gênero trabalhado.

Simpatizar com o elenco ou não vai ser algo pessoal de cada um, mas as protagonistas são bem pro-ativas e mantem o episódio em movimento. O tema principal, como a própria sinopse deixa claro, é animação, só que diferente de Shirobako, com uma abordagem mais “realista” do passo a passo e dificuldades na produção de animes na industria, esse aqui é um grupo pequeno se divertindo e deixando a imaginação solta, e, aparentemente, focando em animação conceitual.

A parte onde elas basicamente entram e se aventuram em suas ideais é a mais chamativa do episódio, embora seja difícil dizer se vai ser um foco constante da narrativa usar disso.

Não é minha praia (sou mais a abordagem de Shirobako), mas quem curte um design diferentão (honestamente para pra mim é só feio mesmo, e olha que vi Mob Psycho e High Score Girl de boa), e é muito fã desse diretor, pode valer dar uma chance.

Marcelo

Nota: 3.75/5

Acho que o que mais gostei em tudo foi a ambientação. Além de bem criativa, com a própria protagonista apontando as maluquices no design da cidade, o clima do anime é bem descontraio e divertido, com o grupo das três protagonista sendo bem carismático (a maluca que quer lucrar em cima de tudo é a melhor).

Já a parte da história, foi uma abordagem interessante também. Eu gosto do lado sonhador das profissões, então me é interessante saber até onde as garotas vão conseguir ir em nome do que querem fazer.

Se mantiverem aquele brainstorm de ideiais conceituais, é capaz de divertir ainda mais, então, vale a pena dar uma conferida para quem gosta de animes com propostas diferentes.

Isekai Quartet 2*

Fonte: Light Novel
Gênero: Comédia, Slice of Life
Diretor: Minoru Ashina (especiais em versões chibi de Overlord, Re:Zero e Youjo Senki)
Estúdio: Puyukai (especiais em versões chibi de Overlord, Re:Zero e Youjo Senki)
Estreia: 13/01
Episódios: 12
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 
Na história os personagens centrais de Re:Zero, Konosuba, Overlord e Youjo Senki acabam transportados para o mesmo mundo. O anime é em modelo petit, ou seja, esse visto acima deles em formato chibi, e totalmente focado em comédia.

Mini-review:

Em breve.

Boku no Tonari ni Ankoku

Fonte: Mangá
Gênero: Comédia
Diretor: Atsushi Nigorikawa (Love Tyrant, Sora to Umi no Aida, Ani Tore! EX)
Estúdio: EMT Squared (Hyakuren no Haou to Seiyaku no Valkyria, Kumamiko)
Estreia: 11/01
Episódios: 12
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 

A história acompanha Seri Koyuki, um garoto que evita ter contado com pessoas que não conhece por ter uma personalidade de “cara sério” e acabar reagindo ao que elas falam dessa forma.

Em um determinado dia, Kabuto Hanatori se transfere para sua escola, o grande problema, no entanto, é que Hanatori tem chuunibyou (Síndrome de Peter Pan aqui no ocidente), dizendo que seu tapa-olho serve para conter o Deus da destruição que o possui.

Koyuki, por sua vez, acaba sentido uma necessidade enorme de reagir a suas maluquices do colega, criando assim aquelas típicas cenas de comédia com um cara sério.

Mini-review:

Marcelo

Nota: 3/5

Eu adoro esse estilo de humor tsukkomi (um personagem reagindo as merdas que o outro faz), mas, em contra partida, é dificil para mim comprar piadas chuunibiyo, o que acaba deixando o anime em um estado apenas um pouco acima de média.

A direção consegue entregar um bom timing para as reações do protagonista, que junto das expressões exageradas acaba fazendo as piadas funcionarem. O garoto sádico é um dos melhores, por mais que os outros dois não sejam ruim.

Para quem não liga de ficar vendo os personagens viajarem naquelas ideias malucas sobre olho selado, vidas passadas e servos com nomes dificeis, vale a pena dar uma conferida, pode ser que o humor funcione bem.

Ishuzoku Reviewers*

Fonte: Mangá
Gênero: Comédia, Ecchi
Diretor: Yuki Ogawa (FLCL Progressive, Miru Tights)
Estúdio: Passione (Citrus, Joshi Kousei no Mudazukai)
Estreia: 11/01
Episódios: 12
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 
O mangá acompanha um grupo de homens dando suas opiniões a respeito de quais tipos de garotas são as melhores (Elfas, succubus, humanas), onde eles visitam diferentes lugares a fim de provar suas opiniões a respeito de qual é a melhor espécie de mulher.

Mini-review:

Marco

Nota: 3/5

Até que foi bem melhor do que eu esperava de algo com essa proposta doida. De início temos aquele choque de gostos de dois amigos, um humano e um elfo. Enquanto o primeiro adora uma elfa de 500 anos (com cara de 30), o elfo tem horror a ela, a considerando velha demais, e preferindo uma humana… DE 50 ANOS COM CARA DE 70! Só eles discutindo por isso já me fez rir um bocado, e dar crédito ao autor por justificar que raças diferentes tem gostos diferentes.

O episódio 1 foca em de onde veio a ideia de fazer reviews sérios de como foi a experiência com cada tipo de garota monstro na opinião de raças diferentes (os protagonistas). Eles já adoram bordeis, então só uniram o útil ao agradável, já que começou a render uma grana a eles.

As partes mais “quentes” acabam sendo puladas quanto a coisa vai chegar lá ou muito rápidas para alguém sequer considerar um hentai, como são aqueles animes de 5 minutos em sua versão completa. Mas sim, ainda tem partes pesadas aqui e ali.

Outra surpresa é o tempo. Jurei que seria um anime de 5 a 10 minutos, mas é de 20 e o tempo passa até bem rápido com as várias situações. A direção faz bonito também, principalmente nas cenas de humor. O anjo é bem peculiar também devido ao que ele revela de si mesmo, e gera cenas engraçadas.

Para quem quer uma comédia ecchi tentando algo verdadeiramente diferente (nunca vi nada parecido, honestamente), pode valer dar uma chance.

Comédia ROmantica

Rikei ga Koi ni Ochita no de Shoumei Shite MiIta*

Fonte: Mangá
Gênero: Comédia, Romance
Diretor: Toru Kitahata (Haganai NEXT, Hinako Note)
Estúdio: Zero-G (Grand Blue, Doukyonin wa Hiza, Tokidoki, Atama no Ue)
Estreia: 10/01
Episódios: 12
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 
A história acompanha Ayame Himuro e Shinya Yukimura, um casal de cientistas apaixonados que tentam provar o que sentem através de experimentos.

Mini-review:

Marcelo

Nota: 3.5/5

Três episódios de estreia, então acaba dando para ter uma boa ideia do que o anime se trata.  A história é bem simples, lembrando uma mistura de Kaguya-sama (a parte dos experimentos envolvendo amor) e Watakoi (Personagens mais velhos), mas tem uma boa personalidade e carisma.

O casal principal é divertido, e a direção conseguem entregar alguns momentos interessantes, conseguindo combinar explicações cientificas com essa ideia de provar o que é amor.

Como foram três episódios, não se preocuparam muito em criar ganchos nos dois primeiros episódios, o que para comédias é meio complicado, já que, se o humor não te comprar, dificilmente vai sentir vontade de abrir o próximo episódio correndo.

Para quem gosta de comédia romantica, é uma boa dar uma chance para o anime e ver se funciona. Ao menos para mim, não deve ser nenhum problema acompanhar semanalmente, então deve acabar sendo um bom entretenimento.

Nekopara*

Fonte: Jogo
Gênero: Comédia, Romance
Diretor: Yasutaka Yamamoto (Nekopara OVA, RoboMaster the animation)
Estúdio: Fenix Film (Monster Strike the movie)
Estreia: 09/01
Episódios: 12
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 

Em um mundo onde garotas metade gatos são normais, Kashou Minaduki estava de mudança para seu novo restaurante quando encontrou duas gatinhas abandonadas e decidiu adotá-las.

Com o tempo as duas se tornam belas garotas, indo trabalhar em seu restaurante como ajudantes, mas logo ele percebe que não será tão simples assim ter duas gatas como empregadas, ainda mais quando o número delas só aumenta.

O anime vai ter uma história original comparado ao jogo, juntando todas as garotas gato de uma vez com o protagonista, ao invés de apresentar de 2 em 2 a cada novo game, como no original.

Mini-review:

Marco

Nota: 3/5

Mais um anime para quem curte “coisas fofinha e bonitinhas” na temporada. Tem até um fanservice com as garotas gato, mas é tão leve que qualquer um atrás de fanservice vai ficar extremamente decepcionado. O foco é claramente situações bonitinhas e engraçadas.

O episódio 1 pula tudo dos primeiros jogos e já coloca as heroínas direto trabalhando na confeitaria do protagonista. Ele dá uma introdução base da relação deles e um flashback curto de como começa o game 1 para ajudar os novatos na série, e depois disso são apenas situações leves, bonitinhas ou engraçadas. A parte do trem foi boa para explicar algumas coisas desse mundo louco de Nekopara sem parecer monologo forçado.

A decisão de pular os jogos e tentar uma história original foi boa, mas creio que teria sido mais interessante colocar pelo menos algum fator mais interessante como “a confeitaria vai falir e precisam dar um jeito dela da lucro rápido”, ou qualquer coisa do gênero.

Só recomendo para fãs de moe e slice of life esse aqui, que deve ser algo despretensioso com o puro objetivo de agradar amantes de garotas gato e marketar o game.

Marcelo

Nota: 3/5

Depois do OVA adapatando o inicio da história, parecia meio dificil começar o anime sem fazer uma reprise, mas acabou que me surpreendeu e foi uma boa introdução(ou reintrodução nesse caso) da história.

Os tempos entre o passado das garotas e um pouco do contexto do mundo foram bem divididos, por mais que um pouco simples em alguns pontos, mas não chegam a ser prejudicial.

Para quem gosta de slice of life o episódio funciona bem também, mantendo um clima agradável no dia a dia das garotas dentro e fora do restaurante.

Vale a pena dar uma conferida se animes mais calmos e cheio moe for do seu interesse.

Murenase Seton Gakuen*

Fonte: Mangá
Gênero: Comédia, Romance
Diretor: Hiroshi Ikehata (Kiratto Pri☆Chan, Robot Girls Z, Space Battleship Tiramisu)
Estúdio: Studio Gokumi (Tsuredure Children, Seiren)
Estreia: 06/01
Episódios: 12
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 
A história do mangá gira em torno de um garoto solitário que odeia animais, porém, por alguma razão, estuda em uma escola feita para animais aprenderem a sobreviver. Em meio a esse cenário, o garoto acaba conhecendo uma menina meio-lobo, e assim começando uma vida de loucuras nessa escola que prega a sobrevivência dos mais aptos.

Mini-review:

Marco

Nota: 3.5/5

Esse aqui o diretor foi melhor do que eu esperava. Colocaram umas partes extras se comparado ao original e mudaram algumas coisas para melhor (fundiram um bando de capítulos também).

O que mais chama atenção é o protagonista politicamente incorreto (a cena final da zebra deixa isso mais que claro) e como as pessoas meio animais são abordadas pelo autor. Ao invés de serem simplesmente humanos com partes animais, eles realmente tem ações relativas as suas espécies de alguma forma, o que gera cenas tanto bizarras quanto engraçadas, principalmente com a heroína lobo (essa parte vai do senso de humor de cada um).

E sim, a obra é descaradamente mais direcionada ao público masculino. Os homens serem animes quase que completos enquanto as mulheres se limitam a rabo, orelhas e algumas partes no rosto, deixam isso bem claro.

Para quem gosta daqueles protagonistas que falam o que estão pensando e querem uma abordagem mais zuada de pessoas meio animais, pode valer dar uma chance para ver se a comédia funciona com você.

Marcelo

Nota: 3.5/5

Foi mais divertido do que eu esperava. As piadas funcionaram muito bem comigo, e o ritmo do episódio te deixa bem entretido. O protagonista tem uma personalidade legal, sem muitas frescura, além das outras duas garotas também serem carismáticas.

Meu único problema (questão de gosto) é que já venderam um triangulo amoroso logo de cara, o que já me deixa agonizando por pensar que a garota de cabelos pretos deve perder para lobinha no final.

No geral, foi uma boa estreia, apresentando bem a histórias e os conceitos por trás da escola de animais. Para quem gosta de comédias romanticas, vale a pena dar uma conferida.

Hatena Illusion*

Fonte: Light Novel
Gênero: Comédia, Romance
Diretor: Shin Matsuo (diretor de episódios em Yozakura Quartet: Hana no Uta)
Estúdio: Children’s Playground Entertainment (Primeiro anime do estúdio)
Estreia: 08/01
Episódios: 12
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 
A história acompanha Makoto, um garoto que sonha em se tornar um ilusionista. Makoto se muda para Tóquio a fim de se tornar aprendiz de um casal de mágicos famosos amigos de seus pais, porém, ao chegar na mansão assombrada em que o casal de mágicos vive, Makoto percebe que não será na fácil conviver com sua antiga amiga de infância, Kana, também conhecida como Hatena.

Mini-review:

Marco

Nota: 3.25/5

Embora quase nada se destaque muito, esse foi melhor que o esperado. Está cheio de animação fluida, expressividade e boas escolhas de transição. A heroína que nas mãos de um diretor comum seria a coisa mais irritante do mundo, acabou ficando apenas no “um pouco irritante”, graças ao esforço da direção em deixar as expressões dela bem cômicas.

O service, para quem estava com medo dele, é super leve até agora, com foco maior na comédia mesmo. O romance é descarado também em que direção vai, então a surpresa fica para o fato de que parece que vai haver algum foco em ação também, e esqueça ilusionismo, vai ter é magia nesse negócio.

No fim das contas ao menos conseguiu o objetivo de me arrancar umas risadas e querer saber para onde a história vai, principalmente devido a alguns mistérios levantados. Quem curte comédia romântica pode valer dar uma chance e ver se bate com seu senso de humor. Só não espere muito do protagonista, que é bem comum, e da heroína, uma tsundere também padrão.

Marcelo

Nota: 3/5

Tirando a introdução, e o mistério que fazem em cima da família de mágicos, o episódio se mantém bem dentro de uma introdução, mostrado o passado dos dois protagonista e a relação deles.

Os personagens não tem muito a se destacar, com exceção da Maid que me fez dar algumas risadas por conta do jeito dela, mas os demais são bem dentro do padrão (protagonista bonzinho que ajuda os outros, heroína tsundere que não consegue ser sincera, e coisas do tipo).

Pode ser que com o andar da história as coisas fiquei melhores, então para quem gosta de romance, pode valer a pena dar uma olhada no anime.

Jibaku Shounen Hanako-kun

Fonte: Mangá
Gênero: Comédia, Romance
Diretor: Masaomi Andou (Kanata no Astra, Gakkou Gurashi!, Hakumei to Mikochi)
Estúdio: Lerche (Asobi Asobase, Kuzu no Honkai)
Estreia: 09/01
Episódios: 12
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 

Um dos rumores dentro da escola Kamome diz que, se você chamar o nome Hanako-san dentro do banheiro feminino do terceiro andar, um espírito será invocado e te garantirá um desejo.

A história acompanha Nene Yashiro, uma garota que adora ocultismos e sonha com romances. Em um certo dia, ela decide ir atrás do mistério envolvendo o banheiro feminino, no entanto, não imaginava que a Hanako-san que esperava encontrar, na verdade fosse um garoto totalmente diferente do que os rumores diziam.

Mini-review:

Marco

Nota: 3.5/5

Esse diretor dificilmente me decepciona, e nesse anime não foi diferente. Sempre tentando variar seu estilo, nesse anime temos uma pegada de mangá em movimento. Mas embora se possa pensar no famoso copy/paste das páginas, não é o que o diretor fez aqui.

O uso de cores e contornos fortes funciona bem e dá individualidade a produção. As transições também são muito boas, com o único problema ficando para a parte do movimento. Embora esse tipo de história não exija muito disso, é meio triste notar como quase todo movimento mais elaborado é pulado ou travado a maior parte do tempo, e na ação nem se fala.

Mas deixando isso de lado a história e personagens são simpáticos. A garota aprende sua lição até o final do episódio, amadurecendo um pouco, ao mesmo tempo que se mete em uma situação interessante que te deixa curioso por mais. A interação dela como fantasma é bem divertida também, e o defeito que a autora deu a ela me fez rir um bocado (inicialmente achei que era um padrão do design do anime, até notar que só ela tem aquilo).

Embora não seja um enorme destaque como um Kaguya-sama da vida, esse aqui pode se mostrar uma comédia romântica (com um pouco de ação) divertida para quem curte o gênero.

Marcelo

Nota: 3.5/5

“Personalidade”, talvez fosse a melhor forma de definir essa estreia. O estilo da animação é bem bonito e interessante, e a forma com a história e contada te deixa bem satisfeito em acompanhar. A ideia é simples, mas a excusão é boa, em partes, por conta da ótima química que a garota teve com o fantasma.

Além disso, mesmo que de forma despretenciosa, a história traz algumas coisas interessantes, como a reflexão da garota sobre o seu desejo, e a possiblidade de novas criaturas assombradas aparecerem para dar uma varia maior no história. Vale a pena dar um conferida quem gosta de comédias românticas.

Drama

Runway de Waratte

Fonte: Mangá
Gênero: Drama
Diretor: Nobuyoshi Nagayama (Sou nan desu ka?!, Happy Sugar Life)
Estúdio: Ezo’la (Sou nan desu ka?!, Happy Sugar Life)
Estreia: 10/01
Episódios: —
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 
A história gira em torno de Fujito Chiyuki, uma aspirante a modelo que sonha ser a top model da agencia de seu pai. Mesmo sendo dona de uma aparência invejável, Chiyuki vê seu sonho ser ameaçado quando percebe que sua altura não passa de 1,58m, o que pode a impedir de ser uma modelo profissional. Ao mesmo tempo, ela conhece um garoto em sua escola que sonha em ser designer de roupas, mas algumas dificuldades o impedem de realizar seu sonho.

Mini-review:

Marco

Nota: 3.5/5

O legal desse aqui é uma proposta diferente para variar. Embora previsível, o anime faz um bom trabalho em te ajudar a simpatizar com a protagonista feminina e o masculino, ambos em situações que os impossibilitam de alcançar seus sonhos, ela por sua altura e ele por pobreza.

Fora algumas partes que soam rushadas, a história funciona e o final é bonito (e tem uma surpresa…). O design eu achei lindo, mas é uma pena como o estúdio limita a animação para manter ele consistente. As cenas que esbanjam um pouco mais de movimento são bem poucas.

Em suma, quem está em busca de um drama de superação diferente, vale dar uma chance.

Marcelo

Nota: 3.75/5

A proposta é bem interessante, mas me deu a sensação de que o roteiro não soube tirar o melhor disso. A primeira metade do episódio me pareceu meio corrida, onde mal deu para entender os motivos da garota ter escolhido o garoto para fazer a roupa.

Ele mostrou determinação, mas não teve nada exemplificando o talento. A roupa que a garota usa na parte final é bem bonita, e ela ajuda ainda mais a valorizar o design, mas aconteceu depois, então foi um tiro no escuro que deu certo, pelo menos foi essa a sensação que eu tive assistindo.

Por sorte, a direção consegue segurar as pontas, principalmente no drama. O início, com a garota tendo o seu choque de realidade sobre a sua altura, ficou bem interessante, e o baque que ela dá na parte final, quando entra na sala foi ótimo.

O final, por sua vez, acaba compactando tudo isso, fechando a estreia com o início da carreira de ambos os protagonista. Para quem gosta de proposta diferentes, e quer apostar em um possível romance, pode ser uma boa dar uma olhada no anime.

22/7*

Fonte: Original
Gênero: Música, Drama
Diretor: Abo Takao (Tate no Yuusha, Norm9)
Estúdio: A1-Pictures (Sword Art Online)
Estreia: 11/01
Episódios: 12
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 

Mini-review:

Marco

Nota: 3/5

Esse anime tem uma das piores dublagens que eu já vi! Achei bem incomodo para ser honesto… Em cenas comuns é passável, mas sempre que cai para algo mais exigente, como nuances na voz ou algo dramático (voz mais alta, chorosa, etc), a performance é tenebrosa.

A ideia por trás desse anime parece centrada em convocar dubladoras novatas mesmo, mas a seleção deve ter sido bem fraca para o resultado final ser esse onde nem a protagonista tem boa interpretação.

Bem, fora essa parte, a história ao menos tem alguns pontos interessantes. Para começar em vez de alguém cheio de vida a protagonista é alguém super depressiva e anti-social.

Não só isso, como ela despreza idols, e só acaba obrigada a virar uma por falta de opção (precisa da grana). Isso e o fator sobrenatural podem render uma trama diferenciada, embora o negativismo da heroína principal chegue a irritar as vezes (o chefe não estava errado em despedir ela por exemplo, já que ela nem tentava se encaixar em um emprego que exigia uma conduta mais positiva para com os clientes).

Para quem tolera uma péssima dublagem e só quer uma proposta de idols diferente, pode valer uma chance.

Marcelo

Nota: 4/5

Rapaz, isso até que foi bom. Trocar as típicas protagonista energiticas por uma garota depressiva e que sofre bullying dá uma revitalizada nessa coisa de idol de uma forma bem bacana.

O episódio basicamente se foca nisso, em mostrar  vida da protagonista e a forma como ela vive cabisbaixa e apenas existindo. No decorrer do episódio as outras garotas são apresentadas, cada um naquele padrão de várias personalidades, mas mantendo um certo tom de realismo(pelo OP dá entender que todas tem seus problemas).

Entretanto, o que surpreende mesmo é o final, com a protagonista falando um bando de verdades sobre as idols, e decidindo se tornar uma por um motivo tão realista que chegou até arrepiar.

O único ressalva para mim, foi terem coloca um lance sobrenatural no meio de tudo isso. Por mais que não prejudique o episódio, faz afastar um pouco do lado realista da história, então acaba sendo um pouco desnecessário.

Se vão manter isso até o final, não dá para saber, mas que a estreia chegou chutando o balde para os padrões de animes idols que vivem aparecendo, isso não dá para negar.

Slice of life

Somali to Mori no Kamisama

Fonte: Mangá
Gênero: Slice of life, Fantasia, Drama
Diretor: Kenji Yasuda (Macross Delta, Hakata Tonkotsu Ramens)
Estúdio: Satelight (Girly Air Force, Caligula)
Estreia: 09/01
Episódios: 12
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 
Na história você acompanha um golem –  conhecido como guardião da floresta – cuidando de uma garotinha humana que encontrou sozinha. O curioso, no entanto, é que humanos são considerado praticamente como extintos naquele mundo, o que torna a existência da garota algo misterioso e complicado.

Mini-review:

Marco

Nota: 3.25/5

O anime bonitinho de relação pai e filha da temporada. A novidade fica por conta do pai ser um monstro e o mundo de fantasia. A animação entrega o básico e o que realmente chama atenção são os cenários bem coloridos.

Só o que ficou estranho é o fato da garota falar de uma forma que lembra alguém bem mais velho do que aparenta, principalmente o vocabulário vasto (e vai ser respondona assim em outra lugar…). Não sei se é proposital ou um problema de escrita do autor não checar como crianças da idade falam, mas foi algo que me chamou atenção.

De qualquer forma, não é minha praia, mas quem curte o slice of life levinho com relação pai e filha caia dentro, já que é a única opção do gênero na temporada.

Marcelo

Nota: 3.75/5

Episódio, literalmente, introdutória, mas nem por isso chegar a ser ruim. O mundo da obra é fantástico, com várias criaturas e monstros diferentes pipocando na tela o tempo todo e de dando aquela sensação de “conto de fadas”.

A personalidade da garotinha é divertida, e contrasta bem com a do Golem, já que ele é mais paradão. Por mais que o episódio não tenha entrando muito nesse aspecto, o perigo em cima da garota parece real, então pode gerar algo interessante no futuro.

Agora é rezar para o Golem não se casar com a menina no final, e manter um relação saudável durante a história.

Heya Camp

Fonte: Mangá
Gênero: Comédia, Slice of Life
Diretor: Masato Jinbou (Isekai Shokudou, Fate Illya 3)
Estúdio: C-Station (Yuru Camp)
Estreia: 06/01
Episódios: 12
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 
Spin-off de Yuru Camp sem sinopse ainda.

Mini-review:

Marco

Nota: ??/5

Esse bagulho é tão curto que nem vale dar uma nota… 3 minutos? Serve só de tease da S2 para quem é muito fã da história, embora tenha uma ou duas cenas engraçadas.

Marcelo

Nota: ??/5

O episódio 0 é maior e mais interessante do que a verdadeira estreia… Para quem estava com saudade de Yuru Camp acaba sendo uma opção, por mais que ao mesmo tempo só faz aumentar ainda mais a vontade de querer ver a segunda temporada.

A3

Fonte: Jogo
Gênero: Drama, Música
Diretor: Shinohara (Black Fox)
Estúdio: P.A Works (Charllote) e 3Hz (Black Fox)
Estreia: 13/01
Episódios: 12
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 
Uma garota que herda uma companhia de teatro falida que luta para colocar de pé novamente.

Mini-review:

Marco

Nota: 3/5

O episódio um é basicamente a sinopse em mais detalhes, com a heroína principal tentando conseguir um grupo de atores e impedir que o teatro do seu pai seja demolido. O mais engraçado do elenco é um cara que seria definido hoje como “gado d+”, já que só entra para o grupo por criar interesse romântico na heroína central.

A direção é competente e a animação até um pouco abaixo do que eu esperava com esses dois estúdios trabalhando juntos, embora ainda seja boa. Quem curte animes focados em garotas, onde uma mulher tenta gerenciar um bando de homens (aqui em peças de teatro), e possivelmente talvez desenvolva um romance com um deles (ou não), pode valer uma chance.

Koisuru Asteroid

Fonte: Mangá
Gênero: Slice of Life
Diretor: Daisuke Hiramaki 
Estúdio: Doga Kobo (Umaru, Dumbell)
Estreia: 03/01
Episódios: 12
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 
A história se foca em uma dupla de garotas em um clube de astronomia.

Mini-review:

Marco

Nota: 3/5

A direção é competente e tem algumas cenas divertidas, mas só recomendo para quem curte muito slice of life com garotas fofinhas. Como não é minha praia, o negócio acaba não funcionando tão bem.

Marcelo

Nota: 4/5

Ótimo episódio de estreia. Além de entregar um elenco bem carismatico sem muitas introduções e perda de tempo, a história não enrola com um plot twist óbvio e já resolve tudo rápido, dando aquela sensação de que as coisas já aconteceram.

A proposta também é interessante, com os dois clubes se fundindo para não serem desfeito (a brincadeira sobre um estar olhando para o céu, e o outro para terra dá o tom da proposta).

No demais, é um anime de nicho, para quem gosta de slice of life e elenco full garotas, mas, como já tivemos varios exemplos por aí, vale a pena dar uma olhada, mesmo não sendo sua praia, já que pode acabar surpreendendo.

 

Psicologico

The Case Files of Jeweler Richard

Fonte: Light Novel
Gênero: Mistério, Suspense
Diretor: Tarou Iwasaki (One Week Friends, Amaama to Inazuma, Yakushiji Ryōko no Kaiki Jikenbo)
Estúdio: Shuka (Natsume Yuujin-Chou, Durarara!!, 91 Days)
Estreia: 09/01
Episódios: 12
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 
A história gira em torno do belo avaliador de joias Richard Ranashinha Dvorpian, e no brilhante e alegre estudante universitário Seigi Nakata, enquanto eles descobrem as mensagens ocultas que estão dentro das joias.

Mini-review:

Marco

Nota: 3/5

Me pergunto como um produtor viu essa obra e achou que um anime dela era um boa ideia e iria dar retorno? Talvez mude o estilo com o tempo, mas o começo…

É basicamente um avaliador e um garoto de uma faculdade em uma história de cadência lenta que desvenda alguns mistérios envolvendo joias (a primeira do próprio protagonista). Não me entendam mal, a história em si é bonita e bem contada, mas vai ser uma narrativa um tanto quanto monótona para a maioria das pessoas, e dai o meu questionamento sobre a produção dar retorno.

Para quem curte slices of life com mistérios sem urgência, pode valer a pena, mas não vá com expectativas altas.

Marcelo

Nota: 3/5

Parecia que iria ser um episódio tedioso, mas o decorrer do episódio foi bem tranquilo e nem me deu aquela sensação de sono, como estava imaginando ter.

O mistério não é lá muito complexo, se é que dá para chamar de mistério, já que é o trabalho do cara é reconhecer pedras, e o máximo de dedução que ele teve foi encontrar o recibo da compra da joia, mas a história em si é bonita, e tem umas viradas interessantes sobre a perspectiva de quem é o vilão, e de quem fez mais mal a quem.

O problema, no entanto, é que o autor abusa de coveniencias ao ponto de soar absurdo. O protagonista conseguiu, não só salvar um cara aleatorio que trabalhava com o que ele precisava (E não é uma profissão comum, diga-se de passagem), como esse mesmo cara tem uma relação indireta com a dona da joia que ele estava investigando.

Para quem é carente de misterios, como eu, vale a pena dar uma chance para o anime, e torcer para que pelo menos as histórias continuem boas.

Pet

Fonte: Mangá
Gênero: Mistério, Suspense
Diretor: Takahiro Omori (Durarara!!, Hotarubi no Mori e)
Estúdio: Geno Studio (Genocidal Organ, Golden Kamuy)
Estreia: 06/01
Episódios: 13
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 
Na história, existem pessoas que podem entrar na mente de outros e apagar suas memórias, algo que pode ser usado para acabar com mistérios ou até assassinatos. Mas o poder tem um preço alto, podendo destruir o coração da pessoa. Para isso são utilizados “pets”, que criam uma ligação e protegem seus companheiros enquanto esses usam seus poderes.

Mini-review:

Marco

Nota: 3/5

O que mais me chamou atenção aqui foi a OP e ED, porque o episódio em si, embora utilize de uma ideia interessante, acaba tão aberto que deixa um bando de dúvidas no expectador. Aquilo no final é um flashback ou o cara sofreu lavagem cerebral? A gente só vai ter certeza episódio que vem. Ou seja, se ficou confuso no episódio, relaxa e espera o próximo, porque a brincadeira ali foi exatamente ser difícil saber o que era ou não real da metade para frente.

Talvez um episódio duplo como outros animes fizeram ajuda-se a evitar a confusão.

De qualquer modo, esse vai precisar de mais alguns episódios para mostrar a que veio, mas quem curte um suspense psicológico esse aqui pode agradar.

Marcelo

Nota: 3/5

O ínicio do episódio é bem interessante, mostrando o garoto e os efeitos que os poderes tem na mente dele, mas depois desses primeiros minutos a história dá uma leve decaida.

O mistério e suspense não é ruim, mas parece que ficaram com medo de assustar os possíveis espectadores com as excentricidades do subsconciente das pessoas, e decidiram ir mais pelo lado da paranoia, o que funciona, mas também te deixa com a sensação de que nada aconteceu.

O plot twist do final é interessante até, e fecha bem essa ideia de “o que é real?”, mas é um gancho que você tem que comprar, e não propriamente um impacto na narrativa.

Por fim, não vi muita graça nos dois protagonista. Não são irritantes, mas parecem bem artificiais. Pode ser essa a ideia, em vista de tudo o que aconteceu, então é melhor esperar para vê.

Para quem gosta de mistérios e suspenses, pode ser uma boa pedida. Tem tudo para ser um daqueles animes que frita o cérebro por ficar misturando realidade e alucinações.

Esportes

 

Haikyuu 4 To the Top*

Fonte: Mangá
Gênero: Esporte, Comédia, Drama
Diretor: Sanashiro Sasaki
Estúdio: Production I.G (Haikyuu, Psycho Pass)
Estreia: 10/01
Episódios: 12
MAL: Clique aqui
Trailer: PV1

Sinopse: 
Continuação da história focando no time fracassado de vólei da Karasuno tentando voltar ao topo.

Mini-review:

Marco

Nota: 4/5

O anime voltou bem dentro do que podia fazer. Começos de arco de animes de esporte já iniciados são geralmente focados em treino, ainda mais depois de uma partida final como é a 3ª temporada.

Mas dentro dessa limitação, até que o anime consegue se virar bem para te manter entretido. O protagonista é jogado em uma situação tão complicada que dá pena e curiosidade do que vai acontecer com ele a seguir.

O novo design mais simplificado eu não fiquei tão fã, mas não está ruim também, e pode ajudar a manter a animação dos jogos ainda mais fluida.

 

Datas de Estreia
Data Títulos
03/01 Koisuru Asteroid
Darwins Game
04/01 Magia Record
05/01 ID:Invaded
Eizouken ni wa Te wo Dasuna!
06/01 Heya Camp△
Pet
Murenase! Seton GakuenOverflow
07/01
08/01 Itai no wa Iya nano de Bougyoryoku ni Kyokufuri Shitai to Omoimasu.
number24
Kuutei Dragons
Plunderer
09/01 Hatena☆Illusion
Nekopara (TV)
Show By Rock!! Mashumairesh!!
Infinite Dendrogram
Housekisho Richard-shi no Nazo Kantei
Somali to Mori no Kamisama
Oshi ga Budoukan Ittekuretara Shinu
Jibaku Shounen Hanako-kun
10/01 Toaru Kagaku no Railgun T
Rikei ga Koi ni Ochita no de Shoumei Shite Mita.
Haikyuu!!: To the Top
Runway de Waratte
11/01 Boku no Tonari ni Ankoku Hankaishin ga Imasu.
22/7
Ishuzoku Reviewers
In Spectre
12/01 Dorohedoro
13/01 A3! Season Spring & Summer
Isekai Quartet 2
23/01 BanG Dream! 3rd Season
22/01
25/01
Ainda sem data
Filmes
Lançamento Semanal
Dia da Semana Títulos
Segunda Heya Camp△
Pet
Murenase! Seton Gakuen
A3! Season Spring
Isekai Quartet 2
Overflow
Terça
Quarta Itai no wa Iya nano de Bougyoryoku ni Kyokufuri Shitai to Omoimasu.
number24
Kuutei Dragons
Plunderer
Quinta Hatena☆Illusion
Nekopara (TV)
Show By Rock!Mashumairesh!!
Infinite Dendrogram
Housekisho Richard-shi no Nazo Kantei
Somali to Mori no Kamisama
Oshi ga Budoukan Ittekuretara Shinu
Jibaku Shounen Hanako-kun
Sexta Koisuru Asteroid
Darwins Game
Toaru Kagaku no Railgun T
Rikei ga Koi ni Ochita no de Shoumei Shite Mita.
Haikyuu!!: To the Top
Runway de Waratte
Sábado Magia Record
Boku no Tonari ni Ankoku Hankaishin ga Imasu.
22/7
Ishuzoku Reviewers
In Spectre
Domingo ID:Invaded
Eizouken ni wa Te wo Dasuna!
Dorohedoro
**

 

Log de edições:

08/01 – Adicionadas análises de Mirai Nikki oxigenado (Darwins Game), Meio animais politicamente incorretos (Seton Gakuen), ID:Invaded, O apelão depressivo de cabelos brancos (Plunderer), O anime do diretor viciado em design simplificado (Eizouken), Madoka 2.0 (Magia Record) e “O que é real?” (Pet) (Marco)

08/01 – Adicionadas análises de Darwins Game, Magia Record: Mahou Shoujo Madoka Magica, ID:Invaded, Eizouken ni wa Te wo Dasuna! Murenase Seton Gakuen, Somali to Mori no Kamisama, Koisuru Asteroid, Pet (Marcelo)

09/01 – Adicionadas análises de “Ilusion o caramba! devia se chamar Hatena Magic!” (Hatena Ilusion), Shield Heroine (Itai no wa), SAO Light (Infinite Dendrogan), Cuidado ao pensar no que assiste! (Nekopara)(Marco).

10/01 – Adicionadas análises de “O anime das joias” (The Case Files), O fantasminha do banheiro (Hanako) e A louca obcecada pela idol (Oshi ga Bodoukan) (Marco).

10/01 – Adicionadas análises de Infinite Dendrogam, Itai no wa Iya nano de Bougyoryoku ni Kyokufuri Shitai to Omoimasu, Nekopara, Heya Camp, The Case Files of Jeweler Richard (Marcelo)

11/01- Adicionadas análises de Rikei ga Koi ni Ochita no de Shoumei Shite MiIta, Hatena Illusion, Jibaku Shounen Hanako-kun, Runway de Waratte (Marcelo)

12/01- Adicionadas análises de Haikyuu 4,  “Anime da Modelo, só que não!” (Runway), O anime dos adoradores de bordel (Ishuzoku Review),  O garoto que levou um fora da namorada e tem uma loli absurdamente honesta apaixonada por ele (In Spectre) (Marco)

13/01 –  Adicionadas análises de In/Spectre (Kyokou Suiri), Oshi ga Bodoukan Ittekuretara, Boku no Tonari ni Ankoku, 22/7 (Marcelo)

14/01 –  Adicionadas análises de O anime com dubladoras ruins (22/7), O Anime de teatro (A3) e Meu deus o que eu acabei de ver?! (Dorohedoro) (Marco)

Próxima Temporada:

Relacionado:
Guias de temporadas passadas
Guia: Animação Boa x Animação Ruim, como diferenciar
Guia – Estúdios de Animação Japonesa: funcionamento, padrões, história, sua relevância na qualidade da produção e exceções