Sangatsu no Lion #09 – Impressões Semanais

O dia e a noite, yin e yang, opostos inestimáveis, extremos inigualáveis, tão diferentes, mas ainda assim interligados inerentemente. Em representação audiovisual, uma semiótica maniqueista (dualidade bem definida entre forças opostas), mas típica – e que representam o bem e o mal.

Em sua nona parte, Sangatsu brincou muito com isso, como os mais atentos notarão. Em um episódio incomum e que por muitos será taxado de desnecessário – apesar de eu mesmo confessar a prolongação e inutilidade de certas cenas -, o anime se aprofundou mais na psique de nosso protagonista, utilizando para isso o artifício de seu previamente citado rival na partida de Shogi.

Em início imediato após o final do que vimos semana passada, Rei matuta angustiantemente sobre o que lhe fora dita por sua irmã cruel irmã de criação. O mais interessante da cena é notar como o flashback é filtrado em preto e branco; sem cor, sem vida, apenas uma escala melancólica e de recordações dolorosas, como devem ser várias as do rapaz para com a loira.

Porém, inesperadamente, a abordagem narrativa da vez foi muito mais cômica do que a natureza da série em si – destoados momentos de seu amigo gordinho e, é claro, dos felinos esfomeados. Desde a pequena aventura como stalker até a fatídica partida que deveria, em tese, levar à aposentadoria do ancião, o humor permeou cada quadro, seja nas caretas do velho, nos pensamentos de Rei e, meu favorito, uma referência à saga criada por George Lucas:

Particularmente, me agrada a “impiedosidade” de Rei ao suplantar seu nêmesis momentâneo. Não há glória na desistência e muito menos em uma vitória mequetrefe por misericórdia. Ambos levariam o ato para o restante de suas vidas. Por mais que a aparência escondesse, o interior não os deixaria esquecer a falsidade do ocorrido.

Entretanto, quando Nix (noite) assume os céus, temos de volta o espírito que domina o ambiente de Sangatsu: reflexão e melancolia. Após um diálogo verborrágico (muita fala sem significado) e que beirou irritante, o trôpego senhor, acompanhado por um complacente Rei, faz o típico de beberrões: abre o bico e quebra os limites do íntimo.

E aí, o garoto encontra um lado até então desconhecido de seu parceiro, um lado que o lembra a si mesmo; o pavor da derrota, os braços finos de alguém que deu sua vida para uma só atividade e que deve ser seu destino.

É no espelho de si mesmo, também, que acompanha o revigorar de alguém que ainda não encontrou seu fim – mesmo que seja por motivos questionáveis de ego familiar.

Esperamos para ver se essa visão do que pode vir a ser em algumas décadas terá alguma influência em seu comportamento. Apostaria que sim.

Nota do autor

 

E qual sua nota, leitor(a)?

Nota dos Visitantes
[Total: 79 Média: 4.3]

 

#Extras:

Quadro à lá Van Gogh.

E a sempre interessante arte que encerra a transmissão.

 

Carlos Dalla Corte

Curto 6 coisas: animes, cinema, escrever, k-pop, ler e reclamar. Juntei todas e criei um blog.

Você pode gostar...

  • Emanuel Moreira

    Achei até agora o episódio mais desinteressante

    • Kugars

      pra mim foi mas um episódio de descanço, pra dps voltar ao natural eu particularmente gostei

  • Angel-chan

    Sendo sincera,não gostei muito do episódio.foi interessante saber sobre o velhinho,mas pra que tanto tempo de tela pra ele?pior que ele quase nem deve aparecer mais.Achei meio desnecessário.

  • 1 2

    Esse episodio foi legal, principalmente a parte que a “irmã” liga achando que o cara vai ta na bad por te ganhando do velhote rsrssrs

  • Gabriel Nascimento

    O episódio mais fraco de Sangatsu, mais ainda bom, rico em referências e arte, que me agrada muito, a história não foi muito interessante, tão pouco me importava o velho, mas com o decorrer do episódio me fez sentir pena do mesmo, pelo menos até antes do fim, toda essa experiência serviu como reflexão somente ao Rei, já que o idoso só não queria fazer os serviços da casa.

    • Não julga o cara. Ninguém quer fazer serviços domésticos.

      • Mônica Azevedo

        Eu quero fazer os serviços domésticos, só que da NOSSA casa 😘
        Pra você eu sou a escrava Isaura ❤

      • Gabriel Nascimento

        hsuahuhsausa Parece que a Monica quer.

  • Jônatas

    O episódio mais fraco até agora, a cena do bar foi bem inútil.

  • Pedro Miguel

    A parte que a irmã liga pra ele me deixou bastante interessado, o modo como usaram os filtros e sons para simbolizar a frieza dela, até eu senti um frio aqui…

  • Confesso que achei o episódio meio desnecessário, mas como você disse, foi válido para estruturar melhor a personalidade do Rei. A arte continua muito bonita e a referencia desse episódio foi muito boa. Esse episódio serviu pra dar uma descontraida também, deu pra simpatizar com o velhinho, principalmente pela parte dele não querer fazer as tarefas domesticas kkkkk.

  • Renan

    Conforme o episódio foi desenvolvendo, achei que a história ficaria só na comédia, indo para lugar nenhum. Mas no fim, né que esse velinho excêntrico teve uma serventia, Rei conseguiu dar um passo à frente no seu amadurecimento, pelo o que eu entendi ele começou abandonar o sentimento de culpa em relação a sua irmã venenosa e conseguiu uma resposta em relação ao seu laço com o shogi, o qual buscava nos episódios anteriores. Por fim, referência monstra de Star Wars, que continue dando essas referências para nossa alegria kkkk.

  • Achei um bom episódio tirando as partes desessenciarias, aprofundou tanto a questão do velhinho para no final umas de suas motivações para não largar o Shoji é futilmente não querer fazer tarefas domesticas. Mas foi um bom episódio para desenvolver o Rei, eu mesmo pensei que depois da pressão psicologica imposta pela Kyouko ele iria ceder a partida.

  • Ryu-senpai

    Eu vi dizendo que o criador de Star Wars, George Lucas, processou o anime/mangá Sangatsu no Lion por infringir direitos autorais do personagem Darth Vader………

  • Eduardo Rodrigues

    MUITAS REFERÊNCIAS!!!!!!

  • Faz tempo que eu não faço um comentário aqui, sempre leio mas não estava falando nada, diferente da maioria eu gostei do episódio, foi bem agradável de acompanhar, o humor no inicio me deixou entretido por um bom tempo, gosto desse humor mais sútil, e sério, fiquei com muita pena do velhinho a maior parte do episódio, principalmente na partida HAhaha. Fiquei intrigado durante o episódio, sobre o velhinho, durante 40 anos jogando, tentando se sobressair e não conseguir, e anos depois ver um garoto tão jovem se tornar profissional deve ter sigo um pouco angustiante; Gostei do episódio, deu mais uma aprofundada em ambos personagens, e eu consegui me importar com o velhinho. Mesmo assim foi bem louco o final, bem inesperado e divertido HASHSHAS, não posso negar que foi engraçado.
    Continuo amando a direção do anime em certas cenas, principalmente a trilha sonora em certos momentos e claro as boas referências desse episódio como você próprio citou, Darth Vader e o Van Gogh.

  • Pedro Bordignon

    Bem, confesso que gostei desse episódio, como os anteriores, o clima estava bem tranquilo e cômico, já deu pra notar a personalidade”doida” do idoso logo na hora de tocar o sino, o jogo mostrou com muita comédia o estresse psicológico que o velho estava passando(que seria esclarecido depois), deixando até Rei nervoso, a reação enigmática do protagonista ao ver as jogadas sem sentido do velho eram muito divertidas!A cena do bar achei meio desnecessária, mas foi importante para deixar o velho bêbado e levar para a parte principal do episódio, a demonstração humanizada da revolta do idoso contra o próprio desejo de desistir da partida, mostrando que tem seu desejo, mesmo frustrado pela falta de talento, coisa que Rei esbanja(interessante ver isso enquanto maratono sakurasou), mas ainda assim seu desejo de vencer no esporte que ocupou sua vida por décadas foi mais forte, gostei bem do personagem.
    Mais um episódio muito legal, aprofundando mais na personalidade do jovem protagonista.

  • Felipe Milhomem

    Apesar das partes desnecessárias e do estranho tom cômico usado nele, foi um episódio interessante.