Isekai Shokudou #07 – Baixem seus talheres, a best girl chegou! | Impressões Semanais

Parece que o anime não se cansa de surpreender a cada episódio que passa. Seja pelas novas histórias, quem tem ficado cada vez mais interessante, ou pela forma sutil que mudam a narrativa, assistir Isekai Shokudou tem se tornado cada vez mais agradável por conta desses pequenos detalhes que vão construindo o anime.

E ainda têm dragões.

O episódio dessa semana entrega mais duas novas história, porém, mesmo seguindo o esquema inicial de dois personagens sendo explorados por vez, o roteiro busca uma nova forma de inovar e junta as duas história em um ponto futuro, criando uma cena bem divertida, graças a direção que brinca com a competição entre os dois personagens.

Se apenas essa constante mudança de ares não fosse o bastante, os contos são bem cativantes, e acabam brilhando por si só, mesmo que a  parte mais divertida fique por conta do final, com a nova contratação, as reações da Aletta, e toda a cena que vem antes disso.

Foi assim que o Chef ganhou um harém.

O primeiro conto, focado no naufrago, é divertido por conta desse aspecto. Ele já estava em uma posição um tanto quanto inusitada, o que daria para gerar uma boa história sobre ele sendo salvo pelo restaurante, como aconteceu com o leão. Mas em vez disso, acabam focando mais na tentativa de voltar para o Nekoya, depois de ter sido resgatado.

Ele refletindo sobre a diferença entre esperar 7 mil dias, e 7 mil vez pelo mesmo dia, ficou muito legal, porque dá um visão bem interessante sobre a relação dele com o restauraste. O maior problema não foi passar 20 anos na ilha, mas sim ter que esperar por 20 anos a chegada de um mesmo dia.

Acho que dentre os clientes apresentados, ele é o que têm mais motivos para ter aquelas reações exageradas. Foi legal ver o detalhe dele desesperado pelo curry, batendo o dedo de ansiedade, e cobrando a Aletta no primeiro momento que a viu, porque, querendo ou não, ele viveu basicamente em torno daquilo.

Não só por questão de sobrevivência, mas também por entretenimento. Perdido em uma ilha deserta, sozinho, o surgimento de uma porta mágica deve ser o melhor evento da semana sempre, sem contar que deveria aliviar boa parte da questão psicológica por poder interagir com outras pessoas.

Já a aparição da garota de cabelos pretos, não tem nem o que falar. Diferente do que o character design sugeria, ela não era uma elfa, mas sim um dos dragões citados lá no começo do anime. Se uma elfa já era interessante, imagina agora sendo um dragão das trevas que semeia morte só por existir?

Essa parte situação é interessante, por contar mais dos ditos dragões e o esquema de território que cada um criou, além de aprofundar em uma quesito bem importante, a formação das raças.  Os sete dragões são basicamente os Deuses daquele mundo, e cada um tem um elemento bem definido.

A Kuro ficou com a parte da morte, o que a obrigou ir para Lua e ter, de certa forma, um passado relativamente trágico, já que ela virou a “representação” daquilo que eles lutaram para destruir e poder dar a vida para os novos seres do planeta.

Outro coisa que acaba chamando atenção, é o comportamento do velho mago. O jeito que ele começa a suar frio e pensar sobre os motivos da elfa estar ali, acaba deixando um certa tensão no ar, porque, realmente, é algo assustador se você pensar que ele estava comendo com um dos seres originais do mundo.

Por mais bonita e fofinha que seja, ela ainda é um dos Dragões, e ainda não é qualquer um.

Para completar, a Dragão vermelho aparecendo, e pressionando ela enquanto diz que o restaurante é parte do seu território, e por isso ela tem que tomar cuidado como o que faz ali, volta a reforçar aquele mistério em cima da origem do Nekoya.

Na pratica, eu pensava que ele estava em outro mundo, logo, não teria como ser parte dos territórios do Isekai. A forma com a Dragão vermelho fala, sugeri que talvez ela seja uma das criadoras do lugar, já que apenas os aparecimentos das portas não justificaram essa delimitação de território, porque como deu para ver, elas surgiram dentro do território da Kuro.

Isso também, indiretamente, deixa subentendido que, mesmo dizendo ser “dona” do lugar, ela não tem controle sobre como as coisas acontecem. A forma como ela se surpreende ao perceber que uma das portas se abriu na Lua, deixa essa sensação, e só ajuda a criar um clima ainda maior sobre a origem do restaurante.

Precisamos de uma episódio mostrando o encontro dessa Dragão vermelha.

Isekai Shokudou tem conseguido deixar impressões cada vez mais positivas, e se tornar uma excelente opção para quem busca um slice of life, mas não consegue se prender a um cotidiano “simples”. O clima tranquilo está ali para agradar que procurar algo mais relaxante, porém, o universo da história  tem se mostrado cada vez mais complexo e cativante.

Nota do autor

 

E você, que nota daria ao episódio?

Nota dos Visitantes
[Total: 106 Média: 4.6]

Extra

Esse estilo de traço para contar as história fica muito bom. Esses 7 dragões foram os melhores até agora.

Essa reação foi interessante…

Ele está acostumado com os outros seres, mas parece não ser tão ambientando com o uso de magia… Me fez pensar se ele nunca sentiu vontade de ir para o outro mundo.

Nível quase Shokugeki de reação.

Essa competição aleatória foi bem engraçada.

Não sei o que é mais interessante, a Kuro, ou a reação moe da Aletta.

Marcelo Almeida

Fascinado nessa coisa peculiar conhecida como cultura japonesa, o que por consequência acabou me fazendo criar um vicio em escrever. Adoro anime, mangás e ler/jogar quase tudo.

Você pode gostar...