Saekano Flat #01 a #06 – Impressões

Seguindo com a última parte dos meus planos de dominação global falar um pouco mais dos animes desta temporada. Teremos dessa vez a coisa que eu mais adoro odiar (depois da Cersei), e possivelmente a origem do meu ódio por haréns.

Kato Megumi!! … Não… Saenai Heroine!!

Já estamos na segunda temporada, mas por garantia (caso alguém não conheça)… Saekano é basicamente um anime sobre o mercado otaku. Comprimindo desde o trabalho de ilustrações, até o evento mais famoso do meio, a Comiket. Tudo isso ligado à ideia de fazer uma visual novel.

O que parecia ser um grupo qualquer de adolescentes, acaba recebendo duas das mais populares criadoras de conteúdo do gênero, o que em teoria, deveria deixar tudo mais fácil, mas não é bem por aí.

Seakano é um caso complicado para mim. Protagonistas como o Tomoya são irritantes demais, principalmente quando qualquer uma das garotas seria uma boa opção.

Você vai acabar em algum momento se perguntando o que diabos ele está fazendo ali, ou então, como alguém pode ser tão idiota ao ponto de não perceber coisas tão óbvias?

Eu jurava que ia me sentir frustrado quando terminasse a primeira temporada, mas estranhamente, isso não aconteceu, e com a chegada da continuação, eu acabei gostando ainda mais.

Iniciado com Honras.

Como falei no paragrafo acima, o protagonista é ruim, e tudo no anime cheira a clichê. Mas as coisas funcionam de uma maneira tão boa que chega a ser estranha. Por mais que deveria odiar tudo o que tem ali, eu não consigo.

Um harém de garotas, com uma tsundere de maria-chiquinhas, uma veterana de cabelos pretos, a prima atirada e a garota normal que faz par romântico. Isso tudo era para formar só anime do gênero, que eu iria dizer no final: “retardado, escolheu a pior garota”.

Mas, ironicamente, é nesses clichês que mora parte da graça de tudo o que acontece ali.

Um mesmo ângulo, mas com múltiplas perspectivas.

Mesmo com um protagonista ruim, o fato de usarem os clichês com alivio cômico deixa tudo muito divertido. Nessa segunda temporada, as coisas têm ficando ainda melhores. A Kato ainda continua apática, mas a forma “ácido” e indiferente que ela reage ao Tomoya, e às outras garotas nos momentos mais inapropriados é muito engraçado.

E quando foca na Eriri e a Utaha, por elas serem os clichês clássicos de heroínas de harém, tanto pela aparência, quanto por relacionamento (amiga de infância, senpai, etc), acabam criando diálogos sensacionais com o abaixo.

O dilema da amiguinha de infância X senpai fria e distante.

Além desse ponto, outra coisa que me agrada muito, é o modo como a criação do jogo, assim como o a indústria otaku, são apresentadas. Mesmo que pareça ser algo focado em VN, o anime trabalha cada aspecto individualmente, mostrando tanto a parte dos roteiros, quando a criação de ilustrações.

Por mais que seja através de comédia, é bem interessante ver a correria para entregar os prazos (coisa que eles têm sérios problemas para conseguir cumprir), e a busca das garotas para melhorarem seus trabalhos, isso, que por sinal, tem sido o ponto alto da 2º temporada.

A Eriri está no final da lista, mas ainda assim, o arco dela foi muito bom (por mais rushado que pareça).

Mesmo que ainda seja uma desculpa para aproximar o protagonista das garotas, o modo como tem sido tratado os dramas particulares delas, ficou ainda melhor.

O primeiro episódio mostra um pouco de como foi o encontro entre a Eriri e a Utaha, e parte dos pensamentos delas sobre o que é ser uma escritora/ilustradora. Pelo menos para mim, foi bem surpreendente ver uma abordagem mais “cruel”, digamos assim, sobre o tema.

O comum é personagens motivados pela vontade de criar algo sobre aquilo de que tanto gosta (o Tomoya, por exemplo), o que não é bem o caso das duas.

Um pouco melhor do que as abordagens da 1ª temporada.

Os arcos de cada uma das garotas também tem seguido o mesmo principio. São bem mais focados no que elas esperam de si mesmas (Utaha com sua formatura e planos para faculdade), assim como  vontade de melhorar (Eriri procurando um jeito de inovar seus traços).

Eu posso ficar empolgado com essa cena, não posso?

A light novel parece estar a caminho de ser finalizada (com direito até mesmo a confissão), o que pode ser um pouco preocupante para uns, ou alivio para outros. Eles finalmente completaram o jogo, e o jeito como cada arco terminou, dá a entender que foi o “fora” que elas precisavam.

No entanto, independente se tudo caminha, ou não para um final fechado no anime, ver essa nuance sobre o futuro de cada uma delas, é bem interessante

O único problema em tudo, é que a best girl não vai vencer (por isso meu ódio eterno por harém).

Nota do autor

 

E você, que nota daria aos episódios?

Nota dos Visitantes
[Total: 61 Média: 4.3]

Extra

Advertência: A imagem não representa a real opinião do redator, seus gostos pessoais, tentativa de lavagem cerebral, oportunidade de criar caos, ou apego sentimental.

É o que acontece com o meu psicológico quando tem duas boas heroínas no mesmo lugar.

Nunca pensei que iria gostar tanto de um personagem, onde o proposto é ser um mal personagem.

Não podemos esquecer dos melhores anticlímax.

Porque Kasumigaoka Utaha nunca é demais.

 

Marcelo Almeida

Fascinado nessa coisa peculiar conhecida como cultura japonesa, o que por consequência acabou me fazendo criar um vicio em escrever. Adoro anime, mangás e ler/jogar quase tudo.

Você pode gostar...