[Deu Ruim] Diretor do Anime RomCom “Eromanga Sensei” pede ajuda no Twitter

Quando um diretor tem que pedir abertamente no twitter por mais animadores e diretores que queiram entrar no projeto você sabe que a coisa está feia. É o que ocorreu com o diretor de “Eromanga Sensei” hoje.

Acostumado a trabalhar no estúdio Dogakobo (Nozaki-kun, Umaru-chan), cheio de bons animadores, ele aceitou um trabalho no estúdio A1-Pictures, conhecido por não ter animadores fixos. Para o diretor dar certo nele tem que conhecer um bando de animadores freelancers e diretores de episódio bons para chamar quando começar o projeto. Parece que ele não tinha tantos assim na manga, ou então estavam ocupados.

É preocupante? Sim, um pouco, pedir no twitter é a medida mais desesperada que o diretor pode fazer. Ele já esgotou todas as possibilidade de contatos pessoais e de amigos dos animadores que já estão trabalhando com ele pra fazer isso. Não esperem a melhor das produções em Eromanga Sensei pelo jeito, a não ser que ocorra um milagre e desse pedido random surjam animadores gabaritados no projetos (esses costumam viver ocupados no entanto).

Takeshita, diretor chefe de animação de Nozaki-kun dirige o anime.

O Anime começa na temporada de Abril de 2017. Ele conta a história de um garoto que escreve Light Novels e sua irmã, que está trancada no quarto a meses. Ela é secretamente uma ilustradora de Light Novels erótica conhecida como “EroManga Sensei”.

Fonte: ANN

Relacionado:

  1. Guia de Novos Animes da Temporada de Abril 2017

Você pode gostar...

  • GabrielDelgado

    Vishh

  • Shurit

    Que pena, eu estava até animado para esse anime mas depois dessa…
    O negocio é esperar por um “milagre” então.

  • Thais Rocha

    Se ele não conseguir a tempo, tem que adiar pra temporada de Julho

    • Oliveira JR

      E pode adiar de uma temporada para outra Tipo não tem um contrato a seguir? Com canal de TV

      • Alisson Queiroz

        Teve um anime também da A-1 Pictures que foi adiado, dessa temporada de inverno para a próxima, mais acho que não é tão simples assim.

  • Oliveira JR

    Tá ruim o negócio daqui para abril vai passar voando ” quero ver como ele mitar “nessa produção hein

  • Dionos

    que pena um anime bom morrer assim na praia!

  • Dionos

    que pena um anime bom morrer assim na praia!

  • João Veiga

    Uma pena para quem pretende ver o anime é um pouco preocupante mesmo.
    Já para mim tanto faz já que dificilmente eu veria o anime.

  • João Veiga

    Uma pena para quem pretende ver o anime é um pouco preocupante mesmo.
    Já para mim tanto faz já que dificilmente eu veria o anime.

  • Mateus Bonassa

    Provavelmente vão adiar para a temporada de verão pelo jeito,tomara que consigam bons animadores pois esse é um que pretendo ver

  • Nem irei assistir esse anime. :v

  • Eu nem sei se iria ver mesmo, mas se não for resolvida esse situação pode ser cancelado ou ser transmitido em uma péssima qualidade igual Qualidea Code.

  • Sora

    É o primeiro trabalho solo desse diretor ainda por cima vish,será que se não der em nada esse pedido de ”desespero” vai sair no nível de Qualidea Code fica a dúvida e o pior cenário possível no momento,agora se ele quer que a obra fique acima da média é outros 500.

  • Danhy

    Nem iria ver então não me importo.
    Mas se não for resolvida o anime vai vir com uma animação horrível, talvez cancelem se este pedido não resultar em nada.

  • Gabriel Nascimento

    Que pena, queria ver esse aí, gosto de Oreimo e Ero manga tem o mesmo autor.

  • Pedro Henrique

    Sei que é Off-Topic, mas Marco, queria saber se vc pretende fazer um vídeo ou um post comentando sobre o Mangá de Akame ga Kill. Já que o Capitulo Final do Mangá foi lançado Hoje.

  • Miyamura

    Caramba,ai é de lascar mesmo,bom não é um anime com que eu me importe de toda forma,mas coitado,tomara que consiga ficar pelo menos decente tecnicamente…

  • Miquéias

    Notícia ruim pra quem estava ansioso para ver o anime o que não é o meu caso,desde que fizeram aquele final MERDA em Oreimo,não duvido nada que esse anime tenha o mesmo final no quesito romance.

  • Só porque eu tava com hype nesse anime. Espero que de tudo certo e brotem animadores bons pro projeto.

  • Matheus

    A-1 Pictures proporcionando mais um QUALITY Code dessa vez versão slice of life incestuoso, ainda bem que esse eu não vou ver.

    • Wilherme Borchardt

      e eu esperando por esse anime…………..que merda

  • Micael Okamura

    A-1 Pictures está deixando de ser estúdio foda pra virar estúdio lixo, que nem o Pierrot, era foda, mas hoje é um lixo.

    • BloodEND

      dificil dizer isso com ela entregando obras como ao no exorcist, erased e etc ela é um estudio bipolar.

      • Micael Okamura

        Bem bipolar.

    • Bruno Tobias

      é que eles lançam tantos animes que acaba saindo uma quantidade maior de animes ruins, mas realmente os problemas estão aumentando ultimamente.

  • Fernanda Ribeiro

    Que milagres aconteçam. Não desejo animação ruim para nenhum anime.

    • Alexandre Martins

      Olha pior que Qualidea Code não deve ser.

  • BloodEND

    A-1 é um estúdio realmente bipolar, as vezes entrega trabalhos como erased, outras vezes consegue ir tão fundo que passa o poço que a toei está atolada como em qualidea code.

  • Aria

    Acabei de ir ver o twitter dele e ele não me pareceu tão desesperado por animadores, ele foi até que normal, pediu para que enviasse os números de telefone para o e-mail dele, mas também disse que estava fazendo um bom trabalho, então não sei se foi uma super valorização ou se vcs estão certos. E teve mais alguém que fez isto anteriormente? para sabermos qual foi o fim da história.

    • Marco

      Ninguém vai sair gritando no twitter, obviamente. Mas quando você pode por gente random em vez de chamar as que conhece, como a maioria faz, a coisa tá obviamente feia.

      Um dos últimos foi o diretor de Terra Formars 1.

      • Aria

        bom então acho que vai dar certo, pq estes animes terminaram.

  • Ferreira Amaral

    o criador de eromanga sensei e o mesmo de oreimo ?se for , nem vou assistir chega de final escroto.

  • Doug

    Tenso hem. Bom, não que eu espere muito da história, mas pra chegar a este ponto é bem deprimente.

  • Sora-Sama

    É por essas e outras que a A-1 tá tendo o nome afundado.

  • Alexandre Martins

    A animação Não deve ser pior que a de Qualidea Code.

    • Bruno Tobias

      Qualidea Code foi triste, tanta sequência incompleta e quadros estáticos que já dava raiva.

    • Tiago Bernardes

      eu não cheguei a ver Qaulidea Code, mas se for p comparar com animes da Toei, esse ainda é pior ou nem é p tanto?

      • BloodEND

        pior que a toei, a toei entrega coisa travada ou torta, mas incompleta é quase nunca. (não lembro de terem feito algo incompleto na verdade)

  • Thelasthope139

    Eita, tenso…
    Não esperava nada desse anime mesmo(nem lembrava dele)mas mesmo assim é algo triste. Logo A1 pictures, se não resolverem isso logo, vamos ter um proximo Qualidea Code pra infelicidades de muitos

  • Alisson Queiroz

    A A-1 Pictures tá pegando muito anime por temporada, obviamente eles vão focar o trabalho no anime mais promissor e os outros vão ter que ser virar para não ser um novo Qualidea. A J.C Staff também está nesse caminho mas vem entregando uma animação pelo menos mediana nos seus animes.

  • KiritoKazura002

    Sei que é off-topic mas… Existe alguma chance de season 3 do manga de Rosario to Vampire já que o final está aberto?

    • Marco

      Pouco provável, mas como o autor não anda conseguindo emplacar nada não é impossível.

  • Tales Yuri Silva Arruda

    Putz!! tava curioso por essa obra…

  • Ghost Dog

    Eu teria feito mais… postaria a mesma proposta em outras línguas, não almejando mera terceirização (e “apagar o fogo” do prazo e staff justíssimos), mas também propondo oportunidades a longo prazo a profissionais estrangeiros que desejam intercâmbio, ou integração definitiva aos moldes da indústria japonesa de animação.

    Para a maior parte do público, a presença de profissionais estrangeiros no mundo dos animes ainda é imperceptível. Mas aos poucos essa “abertura cultural” tem evoluído dos in-betweens (o “chão da fábrica”) para etapas mais importantes na produção dos animes… necessidade também cria oportunidades.

    Um bom exemplo são os recentes backgrounds animados em CGI e novas perspectivas em design mecânico, especialidade de europeus como Thomas Romain e David Roy Johnson.

    É ainda difícil intermediar línguas e culturas diferentes, mas a longo prazo, estabelecer uma network internacional de profissionais especializados em anime é o que vai possibilitar a sobrevivência dessa arte tão peculiar.

    • Tiago Bernardes

      Considerando o salário base dos animadores no Japão, não sei se daria muito certa essa ideia, de ir em busca de animadores estrangeiros, sendo que a animação americana é muito mais rentável, apesar de ter gostado disso que vc disse.

      • Ghost Dog

        Muita gente talentosa tem migrado para o Japão por conta própria… existe claro interesse desses profissionais apesar dos baixos salários e dificuldades; o que faltam são portas abertas. O apelo maior é aprender e dominar a linguagem do anime, o que muitos profissionais têm feito empiricamente (sem intercâmbio com profissionais e estúdios japoneses) com diversos graus de êxito, como são os casos dos americanos Monty Oum (RWBY, que faz relativo sucesso no próprio Japão) e Misty Chronexia (do criticado Chronexia And The Eight Seals).

        Dois nomes nessa ponte entre Ocidente e Oriente que se destacaram bastante em 2016 são o americano LeSean Thomas, diretor dos animes Children Of Ether e Cannon Busters (ainda em pré-produção), e o membro da Trigger Takafumi Hori, que criou animações-chave para o cartoon Steven Universe. Vale a pena acompanhar o trabalho dos dois (via Twitter e artigos pela net), pois são um excelente exemplo dessa multinacionalização do anime.

        Claro, há a mera terceirização de etapas para estúdios internacionais (processo que também viabiliza a indústria de cartoons americanos, cujos custos são igualmente elevados) como os sul-coreanos e chineses, por exemplo. Mas isso se deve a um critério acima de tudo econômico, não almejando um desenvolvimento da indústria no senso qualitativo.

        • Aria

          Acho que ta na hora de anime deixar de ser coisa só japonesa, o primeiro passo é o oriente deixar a gente entrar, mas é um trabalho nas duas pontas não somente no japão, não sei como pode ser isto, porém o japão tem muita resistência, exemplo disto é em relação a china.

          • Ghost Dog

            Exatamente.

            Anime, enquanto método de animação, é algo que pode ser adaptado a outras culturas além de sua origem. E “miscigenar” acresce novos valores necessários às constantes reciclagens de idéias nos animes, tornando-os mais ricos e interessantes. É uma relação ganha-ganha, benéfica.

            A questão com a China é mais mercadológica, como uma ameaça ao monopólio… não é ideológica. Há muitos profissionais de animação chineses que respeitam e admiram a tradição e a arte dos animes japoneses e seus responsáveis. E da forma que vejo, a pressão dos estúdios chineses servem como uma espécie de ultimato a uma necessária mudança na indústria japonesa de animes.

            Essa resistência interna (à crescente influência estrangeira) não é unanimidade. Muita gente do meio denuncia a falência desse modelo obsoleto de produção de animes que já dura boas décadas (onde animadores iniciantes são pagos misérias para trabalharem 10-12 horas diárias fazendo o trabalho duro da produção). A realidade da era digital, que tem quebrado até mesmo estúdios de renome, não é a responsável pelas más condições de vida aos animadores, o problema precede os novos tempos.

            E por que não disseminar a arte, delegar processos, transformar e adaptar-se ao novo mundo? Tem um pouquinho a ver sim com a mentalidade de regionalismo, “zaibatsu”, “nihonjinron”. Anime tem virado até plataforma política (como o recente “apoio” de Yuriko Koike, a governadora de Tokyo, que é nacionalista e conservadora… haja ironia).

            Por isso é importante estar atento a pessoas do meio como Takafumi Hori, por exemplo. São profissionais que desejam abertura, não um monopólio. No fundo, se depender de velhas cabeças, anime morreria com eles (ao invés de sobreviver por outras vias).

          • Aria

            se tbm não acha que isto é culpa também do público em geral?
            Afinal quem dá os créditos ás industrias japonesas são os fãs, logo se vc olhar para os doramas, pq aquilo não pode acontecer com os animes da mesma forma.

          • Ghost Dog

            Você se refere à pirataria/streaming ilegal de animes?

          • Aria

            da resistência do público a animes não-japoneses.

            Não vamos falar de pirataria, pq é um tema complexo.

            Tente responder isto, porque um anime que não fosse o “puro sangue” não teria sucesso perante aos fãs? Um anime composto e dirigido por mentes não nipônicas. PQ afinal um apoio maior do público sobre obras assim poderia ajudar na entrada de estrangeiros.

          • Ghost Dog

            Porque, afinal de contas, anime deixou de ser algo confinado ao mercado interno e passou a ser um importante produto de exportação. E, querendo ou não, “Made In Japan” ainda é um sinônimo de qualidade e grife ensimesmada, e muita gente vê “adulterações” como versões aguadas, de baixa qualidade comparados aos estandartes (os grandes sucessos de público e crítica japoneses).

            Children Of Ether e Cannon Busters são criações originais de LeSean Thomas (Boondocks, Black Dynamite e Korra, entre outros cartoons), e realizado em solo japonês, empregando em sua maioria profissionais japoneses. LeSean criou as séries pensando em um público específico: os fãs americanos de anime. A restrição do público a um “anime americano” vem sendo quebrada já há algum tempo, com cartoons como Avatar, Korra, Ben 10 e outros que seguem uma certa “estética anime”. É um momento oportuno.

            Esse é um exemplo de adaptação cultural… outra obra de adaptação que mostra o caminho inverso é o show de marionetes wuxia Thunderbolt Fantasy, feito pelo teatro Puli de Taiwan e assinado por Gen Urobuchi.

            Essas obras injetam frescor à monotonia de obras idênticas em conteúdo… são quebras de paradigma vindas num momento em que a indústria de anime precisa se revitalizar, se inovar com um público cada vez mais diversificado, exigente por qualidade e novidades.

            Yuri!!! On Ice foi dirigido por Sayo Yamamoto, diretora que sabe observar culturas diferentes e adaptá-las em anime (ela esteve no Brasil em pesquisa cultural para dirigir Michiko To Hatchin). Você “vê” a mão da diretora na diversa galeria de personagens internacionais. Não à toa, YOI foi sucesso mundial.

            Se o anime almeja consolidar sua reputação de fenômeno internacional, empatia dos fãs (e intercâmbio de culturas) é mais do que bem-vinda. E ninguém melhor para trazer essas novas nuances culturais à mídia do que os próprios estrangeiros, ao meu ver.

  • Rick

    Vc sabe que a animação vai ser ruim quando nem o diretor de Qualidea Code teve que pedir ajuda no Twitter, triste, realmente queria um bom anime vindo dessa LN (se eu shippo o protagonista com a irmã? bem, esse anime/LN é do mesmo criador de Oreimo, preciso responder?)

  • Chino-San

    quero tanto ver esse anime :0

  • TUTS TUTS

    tava esperando logo Esse Anime pra 2017 e me vem uma cagada dessa,tomara q de tudo certo

  • Gabriel

    Algumas pessoas já estão dizendo que a A-1-Pictures é um estúdio lixo por causa de um anime que foi mal animado,sério…

  • Yotsuba !

    Tá difícil :v

  • Flavio Sandro Costa

    Espero, sinceramente, que não consiga…. Aliás… espero q TODOS os estúdios fiquem desesperados atrás de animadores e não consigam.